FESTCINEAMAZONIA EM FORTE PRÍNCIPE DA BEIRA

FESTCINEAMAZONIA EM FORTE PRÍNCIPE DA BEIRA

Em 1972, a banda inglesa de rock progressivo Pink Floyd gravou um show nas ruínas de Pompeia, a cidade italiana destruída por um vulcão. Guardadas as devidas proporções, mas quase no mesmo clima de história impregnando o ar ao redor, o Festival de Artes Integradas-Festcineamazonia Itinerante, aportou no Forte Príncipe da Beira,distrito de Costa Marques. Na última quarta-feira, 12 de agosto, ao lado do forte, música, cinema, literatura e circo encantaram cerca de 100 pessoas moradoras do distrito.

O clima era diferente. Construído pelos portugueses em 1777, o forte pertencia ao que hoje é o estado de Mato Grosso. Com 910 metros quadrados e 53 canhões, é considerada a maior obra de arquitetura militar portuguesa.Foi erguida por Dom Albuquerque de Melo e cáceres a pedido do Marquês de Pombal. Tombada em 1950 como patrimônio histórico brasileiro, o forte ainda atrai turistas de várias partes do mundo.

A fortaleza de pedra é habitada por milhares de morcegos que, curiosamente, ajudam a construção a se manter de pé. Segundo pesquisadores, as fezes desses animais tem colaborado para manter as pedras solidificadas, como um reboco natural. “É estranho pensar nessa construção. Foi criada pensando em guerra e não amor, mas é lindo como peça de história”, dizia o palhaço Martin Martinez, antes do espetáculo. O cantor e historiador Bado sentia também um clima diferente. “É impactante. Traz outra energia”.

O clima do início da noite também transmitia energias diferentes. Muito frio e vento.

Durante todo o dia, a temperatura preocupava os organizadores do festival.  Os ventos fortes atrapalhariam a instalação do telão e também a própria performance de Martinez, muito ligada a números de malabarismo. Além disso, o receio que o frio espantasse o público. Nada disso ocorreu. Com uma população de pouco mais de 500 moradores, sendo que pelo menos 150 são crianças, aos poucos os habitantes do distrito começaram a chegar, protegendo-se do frio com agasalhos próprios.

A primeira a chegar foi a professora Eliana Maria do Nascimento, 56 anos e mais de duas décadas de profissão. Nascida e criada em Forte Príncipe da Beira, já tinha acompanhado no ano anterior à itinerância do festival. “Amei. Não podia perder essa volta. É diferente porque para nós é uma  novidade, já que quase não se tem o que fazer à noite”.

Se para a professora o Festcineamazonia não representava novidade, para a amiga dela, Lucilene Lopes, 40 anos, sim. Há um mês morando em Forte Príncipe ainda não havia visto a itinerância do festival. “Estou muito curiosa”, dizia.

O dia demorara a passar para os irmãos Péricles, 4 anos, Eduarda, 10 anos e Carlos Eduardo, nove. Todos lembravam ainda da presença anterior da itinerância. Na ocasião, o palhaço era Xuxu, personagem do ator Luís Carlos Vasconcelos. “Eles ficaram com essa lembrança forte”, conta a mãe Edilaine Barros Fernandes, 30 anos, professora da única escola do distrito. Ao lado o marido Jean Carlos Chianca dos Santos, 28 anos, confirmava o entusiasmo das crianças e fazia questão de observar que era bisneto do fundador do município de Costa Marques, Roberto Chianca. “É a segunda vez que estamos aqui e é sempre uma emoção profunda porque a história de Rondônia começa por aqui. Isso é de um simbolismo sem precedentes”, destacou a organizadora Fernanda Kopanakis na abertura da programação da noite.

A similaridade histórica foi lembrada pelo escritor português José Luís Peixoto. “Portugal ergueu esse forte e eu vim de lá para encontrar vocês”, lembrou. “E que essa noite desperte o poeta que há em cada um”, disse ao final. E mais uma vez, música, cinema, arte circense e literatura se misturaram na noite.

O Festival de Artes Integradas – Festcineamazônia Itinerante 2013 tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal através da Lei Rouanet, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, apoio cultural da Santo Antônio Energia e Parceria Institucional da Fundação Banco do Brasil.

Por Ismael Machado

Previous CRISTIANE TORLONI
Next EXPEDIÇÃO FESTCINEAMAZÔNIA LEVA MÚSICA, POESIA, CIRCO, E CINEMA PARA 13 COMUNIDADES DO VALE DO GUAPORÉ

Você também pode gostar

Cinema na Floresta (Matéria Revista Trip)

Matéria veiculada no site da Revista Trip: goo.gl/udmzL7 Dona Aidê pede para o vizinho adolescente que abaixe o volume do som enquanto ajeita a cadeira no quintal de casa. É um

Xuxu mostra com quantos sorrisos se faz um palhaço

Espetáculo que integra mostra Cinema no Circo, do Cineamazônia 2016 fechou a noite no bairro Ayrton Senna, em Porto Velho Um barracão lotado de crianças ansiosas. Antes mesmo de chegar

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE PELO VALE DO GUAPORÉ CHEGA AO QUILOMBO DE SANTO ANTÔNIO

Subindo o Rio Guaporé o FESTCINEAMAZôNIA ITINERANTE chega à comunidade Quilombola de Santo Antônio. As famílias já estavam aguardando o festival, mobilizadas pelos cartazes afixados dias antes pela equipe de