A HORA E A VEZ DO GUAPORÉ

A HORA E A VEZ DO GUAPORÉ

FestcineAmazônia Itinerante percorre Brasil e Bolivia levando cinema, música e circo a comunidades tradicionais

Por Ismael Machado Foto de Hubert Hayuad


 

Há rios que separam e rios que unem. Em Rondônia, o Guaporé pertence ao segundo caso. É o rio que margeia parte do Brasil rondoniense e a Bolívia. E é o rio que recebe a partir dessa sexta-feira, 8, a itinerância do Festcineamazônia 2014. Serão 17 dias entre pequenas comunidades ribeirinhas, pontos remotos, comunidades quilombolas e municípios de pequeno porte, tanto do lado brasileiro, como do lado boliviano. Exibições de filmes, show musical e atração circense fazem parte do cardápio da itinerância em 1200 km que serão percorridos pela equipe.

O ponto de partida é o município de Guajará-Mirim, fronteira brasileira com Guayaramerin, na Bolívia. Na noite seguinte, o outro lado do rio, Guayaramerim. As terras bolivianas continuarão sendo o caminho, com a apresentação no dia 10 de agosto, em San Lorenzo.  De lá o barco segue até Surpresa, já em terras brasileiras novamente, com exibições previstas para o dia 11. Dois dias depois, ainda em Rondônia, será a vez do Forte Príncipe da Beira.

A itinerância prossegue rumo a Bolívia. No dia 14 de agosto, o barco da cultura atraca em Buena Vista para retornar às margens brasileiras no dia seguinte, com exibições em Costa Marques, de onde segue para a comunidade quilombola Santo Antonio, no dia 16 de agosto.

No dia 17, será a vez de Versalles, na Bolívia. No dia seguinte, outra comunidade quilombola, Pedras Negras, no Brasil. Dia 19 de agosto Mateguá, pequena comunidade boliviana, assistirá à programação.

As quatro últimas exibições serão em Porto Rolim, no Brasil, dia 20 de agosto, Cafetal, na Bolívia, dia 22, depois Remanso, ainda na Bolívia dia 23 e o encerramento no dia 25 de agosto em Pimenteiras, no Brasil.

Uma novidade da primeira apresentação do Festcine este ano é a exibição do filme que venceu o Festcineamazonia 2013. ‘O homem que matou Deus’ tem a peculiaridade de ter sido produzido em Rondônia, numa aldeia indígena do município de Guajará Mirim, a aldeia Sagarana, que fica no distrito de Surpresa. O elenco é formado por índios da aldeia.

A produção é do Indígena Celso Oro. A direção é do Francês Noe Vitoux. Na história, Wem Tom, um jovem caçador indígena, percebe que não tem mais caça na floresta, e começa a caçar homens brancos

Em todas as localidades ocorrerá o show musical de Rodolfo Minari, 34. Ele é poeta, músico, compositor e educador. Percorreu diversos estados brasileiros pesquisando hábitos, festas e músicas tradicionais. Reside há cinco anos no Acre, estado que conheceu boa parte viajando de barco, com teatro de rua, no melhor estilo mambembe e sempre colhendo, nas comunidades ribeirinhas visitadas (seringais, aldeias), material sociológico, filosófico e sonoro para seus personagens, textos e canções.

Assim, ora na roupagem de palhaço, ora na de menestrel, ora na de si mesmo – menino caipira, matuto – desenvolve um trabalho poético musical baseado na pluralidade e na singularidade das identidades locais.

Em 2013 gravou e lançou, no Acre, o CD Assovio, que registra um pouco desse universo criativo. Promovendo o lançamento do álbum, Minari viajou por Peru, Chile e Argentina apresentando em praças, escolas e universidades, um pouco da Amazônia e do Brasil.

A outra atração da itinerância do Festcineamazônia é o espetáculo ‘Palhaço Titetê em conserto’. Concebido especialmente para sua participação no Festival Latino Americano de Cinema Ambiental – Festcineamazonia, o espetáculo mescla números de habilidade e de interação com a plateia, que participa de maneira ativa durante toda a apresentação.

Dentre os números apresentados estão “ A flauta que você me faz”, “Kátia Flávia”, “Vida de Bailarina”, “Bola-Balão”, “Levitação”, dentre outros. Com trilha sonora original, com inspiração na música regional, o espetáculo une circo e teatro numa linguagem física, onde a relação com o público se dá além da palavra. Em um jogo inesperado, o esperado acontece.

O Festcineamazônia Itinerante tem o patrocínio do BNDES, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual Lei Rouanet, apoio cultural da Fundação Saramago e Iphan. Parceiros de Mídia Rádio Parecis FM e Canal Brasil. O Festcineamazônia é membro do Green Film Network e Fórum dos Festivais.

Você também pode gostar

Cineamazônia fecha a primeira etapa da itine...

Nem mesmo a rotina rígida da escola Tiradentes da Polícia Militar, em Jacy-Paraná poderia ser capaz de fazer com que o sorriso transbordasse nos rostos dos adolescentes nesta terça-feira, 24.

Público lota praça em Iñapari no primeiro ...

O primeiro dia de Cineamazônia Itinerante, em Iñapari, no Peru, teve tudo o que o festival se propõe a fazer. Muitas gargalhadas, sorrisos e uma mensagem forte sobre conscientização ambiental

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE CHEGA A BUENA VI...

Buena Vista localidade boliviana às margens do Rio Guaporé, tem todas suas habitações erguidas por sobre palafitas. Distrito de Magdalena na província do Beni, conta com uma população com pouco

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!