TABA DO CACIQUE FOI PALCO DA NOITE CINEMA E SAMBA

Enquanto no Teatro Banzeiros a mostra competitiva prendia a atenção do público, em outros pontos da cidade de Porto Velho a programação diversificada do Festcineamazônia dava o tom. E o tom era de samba. Da melhor estirpe. O filme ‘Noel Rosa’, de Ricardo Van Steen, fez com que a ‘Taba do Cacique’, local escolhido para a exibição, vivenciasse momentos de nostalgia musical no projeto que une cinema e samba, samba e cinema. Este ano a parceria foi com a Escola de Samba Asfaltão. Mas a emoção maior ficou por conta de Carmênio Barroso, proprietário da Taba do Cacique. O local existe há 38 anos e pela primeira vez recebeu o projeto.

‘Noel Rosa’ conta a trajetória de Noel Rosa, um dos maiores compositores da história da MPB, que trocou a faculdade de Medicina pelo samba e pela boemia carioca, na década de 20, tornando-se ídolo do rádio, aos 19 anos, com o enorme sucesso alcançado com a canção ‘Com Que Roupa’. O filme acompanha não apenas a carreira musical de Noel, como também a vida afetiva do compositor, que até morrer prematuramente de tuberculose, dividiu-se entre dois grandes amores: Lindaura, jovem operária com quem se casou, e Ceci, dançarina com quem manteve um caso tempestuoso.

Depois da exibição do filme, como não poderia deixar de ser, a Taba do Cacique transformou-se numa grande roda sambista, com a festa comandada pelo grupo ‘Só Bambas’. Se a tristeza é senhora desde que o samba é samba, como cantou Caetano Velosos, ela passou longe da Taba.

Alegria também deu o tom da noite na zona sul de Porto Velho. No espaço onde a quadrilha Flor de Cactus ensaia e se apresenta, foi instalada a lona do circo. Era o projeto ‘Cinema e Circo’. A apresentação foi do grupo Mapi, com o espetáculo ‘Dindo e Tonton, dois palhaços fujões’. O espetáculo conta a historia de Dindo, palhaço cansado, deprimido e desgostoso com a profissão. Ele foge do circo, depois de perder a mulher por quem era apaixonado: a equilibrista da corda bamba. Na trajetória pela rua, sem graça e sem perspectiva alguma, encontra ‘Tonton’, uma garota que foge de casa aos 18 anos para viver o  próprio sonho, o de ser palhaça. Juntos, Dindo e Tonton encarnam um mito, a conciliação dos opostos e a unidade do ser. Levando de volta a graça às ruas.

O Festcineamazônia  – Festival Latino Americano de Cinema Ambiental  tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal através da Lei Rouanet, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, apoio cultural: Sistema Fecomércio – Sesc, Centro de Formação dos Profissionais de Eduacação do Município de Porto Velho,  SEMA – Secretaria Municipal de Meio Ambiente, programa microfonia .O Festcineamazônia é membro do Green Film Network.

Você também pode gostar

EMBAIXADA AMERICANA E TV RONDÔNIA LEVAM EXPO...

Painéis com citações dos diários dos desbravadores Rondon e Roosevelt de 1914-1915, além de  fotografias cedidas pelo Museu do Índio do RJ, pela Biblioteca do Museu Americano de História Natural

FESTCINEAMAZÔNIA 11ANOS- FILMES DA MOSTRA CO...

Os 38 filmes de curta-metragem que integram a Mostra Competitiva, foram escolhidos de um universo de 284 inscritos. Destes, 10 são do Rio de Janeiro, 05 do Rio Grande do

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE EM PORTUGAL

As lutas pela Amazônia apresentadas na Europa

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!