Cineamazônia leva arte à periferia da Bolívia

Cineamazônia leva arte à periferia da Bolívia

Um quintal sem grama em frente à uma casa simples, em um dos bairros mais perigosos da Bolívia. O cenário não costuma ser dos mais convidativos para a esmagadora maioria dos grandes festivais culturais. Mas para o Cineamazônia, é o lugar perfeito para uma sessão de cinema. Assim foi o segundo dia de exibições da Cineamazônia Itinerante 2016, no bairro boliviano de Cobija, neste sábado, 14.

palhacos cobija 2

Em uma comunidade carente de atrações artísticas, os moradores, desconfiados, apareceram timidamente no começo. Aos poucos, entretanto, o público foi se acostumando aos “forasteiros brasileiros” e foram ocupando os seus respectivos lugares.

Os mais interessados, claro, eram as crianças, que apareceram curiosas com a notícia de que veriam os palhaços. A maioria deles veria um de perto pela primeira vez naquela noite. Percebendo a animação deles, Figurita e Aguajito deram um verdadeiro show de animação e levaram a meninada ao delírio com muita interação durante as brincadeiras.

Cineamazonia Itinerante 2016 tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Lei Rouanet. Apoio Cultural da Prefeitura de Porto Velho, através da SEMA e FUNCULTURAL.

Previous Público lota praça em Iñapari no primeiro dia de Cineamazônia
Next Dia 2 - Iñapari parte I: A missão

Você também pode gostar

Há mais estrelas no céu do que carapanãs na Terra

  Texto e fotos: Pedro Carrilho, Fotógrafo do Cineamazonia Itinerante 16ª Edição   “Como fotógrafo, geógrafo por formação e viajante inveterado que nunca havia tido a oportunidade de conhecer os

Israelitas consagram Cineamazônia em Mategua

TEXTO: ISMAEL MACHADO FOTOS: ZECA RIBEIRO EDIÇÃO: LUI MACHADO  A maior concentração de botos em toda itinerância do rio Guaporé. O comentário era repetido por quase todos os integrantes do

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE NAS MONTANHAS GELADAS DO PERU

Se Cusco está a quase 4 mil metros acima do nível do mar, a comunidade de Amaru – povo contemporâneo dos Incas – vive a 4,3 mil. é um frio