A PRIMEIRA VEZ NÃO SERÁ ESQUECIDA

É um tempo diferente o que cerca a comunidade que vive na Reserva Extrativista Rio Ouro Preto, entre os municípios de Guajará-Mirim e Nova Mamoré, em Rondônia. Guiados pelo rio os integrantes das 21 famílias que compõem esse pedaço amazônico trazem na memória os descaminhos que as produções ancestrais de seringa e castanha deixaram entranhados na pele de cada um. Foi para essas famílias que o Cineamazônia iniciou a segunda etapa da itinerância 2016, numa noite de quarta-feira, com lua crescente e céu estrelado.

ZRO_7462

Fotos: Zeca Ribeiro

Foi uma noite típica de primeira vez, primeiro encontro. Era a primeira apresentação do Cineamazônia na comunidade, que passa a integrar o roteiro da itinerância. Era a primeira vez que muitos moradores tinham a possibilidade de ver cinema e circo tão próximos. E era o primeiro contato da dupla de palhaços Geise Helena e Alexandre Malhone nessa região amazônica.

 

“É uma emoção muito forte estar aqui nessa comunidade que tem um histórico de resistência e luta tão fortes”, disse a coordenadora do Cineamazônia Fernanda Kopanakis na abertura do evento.

A sessão foi iniciada com a exibição do primeiro filminho já produzido na própria comunidade. Utilizando a técnica de Pixilation, Christian Ritze mostrou o resultado do que foi feito com duas crianças da comunidade. O filme de 30 segundos deixou as crianças animadas e curiosas. Afinal, duas delas estavam ali, na tela em frente.

Depois foi feita a exibição dos curtas. O grande destaque da noite foi o curta multicultural ‘o Barril’, uma produção de 2013, que uniu Venezuela, República Dominicana e Reino Unido para, num filme de 11min mostrar os efeitos desequilibrados causados pelas multinacionais. O filme mostra as casas de Congo Mirador, palafitas sobre a água. Os adultos usam lanchas para o transporte. As crianças nadam e algumas usam barris. Às vezes, as crianças organizam corridas de barril. Luis David, que trabalha como ajudante de um pescador, a fim de alimentar a si mesmo e seus irmãos e irmãs, gostaria de participar, mas ele não tem um barril, ainda. Uma alegoria sobre a infância, o futuro e a selvageria do capital.

ZRO_7348

Fotos: Zeca Ribeiro

 

Logo em seguida foi a vez da apresentação da Trupe Koskowisck, que nada mais é que  um grupo de atores-palhaços que desenvolvem um trabalho e pesquisa em Teatro de Rua, Circo e Circo-Teatro. Formado por Geise Helena, Alexandre Malhone e Renato Gommes, o grupo nasceu em 2006 desenvolvendo nas ruas, cenas a partir de improvisos.

A apresentação rememora os antigos espetáculos circenses com palhaços que a todo momento são instados a se desafiarem. Mal comparando, lembram os antigos esquetes de Didi e Dedé na época dos Trapalhões. Com intensa participação do público da comunidade, a dupla mostrou-se emocionada ao fim do espetáculo. “Vocês tem que aproveitar porque merecem que a cultura e a arte cheguem até vocês”, disse Geise Helena no final.

Com as apresentações encerradas foi a vez da gravação do depoimento de Francisca Oliveira, liderança da comunidade. Ela foi a escolhida para fazer parte do projeto Museus Vivos, mais uma atividade inerente ao Cineamazônia. Durante mais de 20 minutos, Francisca contou a própria história aos jornalistas Lui Machado e Ismael Machado, que estão dirigindo o projeto na itinerância.

A noite foi encerrada com uma galinhada. O jantar especial foi ofertado pelos moradores a toda a equipe do Cineamazônia.

A itinerância prossegue ainda nessa etapa circundando Guajará-Mirim e o Rio Madeira-Mamoré. Nessa primeira parte serão feitas exibições no distrito de Iata e na sede principal do município, Guajará-Mirim. Depois será a vez de Guayaramerin, na Bolívia. Só depois é que a itinerância irá navegar em direção ao Rio Guaporé.

Cineamazonia, 14a EDIÇÃO, tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Lei Rouanet. Apoio Cultural da Prefeitura de Porto Velho, através da SEMA.

Você também pode gostar

ITINERÂNCIA DO FESTCINEAMAZÔNIA NO VALE DO ...

De Costa Marques vieram em caravana estudantes, professores e população em geral

ATOR LUIZ CARLOS VASCONCELOS PARTICIPA DO FES...

O ator Luiz Carlos Vasconcelos, com grande atuação no cinema nacional e na televisão, acompanhará o FestCineamazônia Itinerante em suas quatro apresentações no Brasil e Bolívia a partir desta quinta-feira

O baixo elegante de Arthur Maia encerra Cinea...

Entre tantas peculiaridades que tornam o Cineamazônia um festival de cinema único no país, sua constante interação com outras formas de expressão artística é certamente uma das características que mais

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!