A poesia pede passagem no Festival Cineamazônia

Singela, poderosa, instigante, provocadora, marginal, sublime, bela, controversa. A poesia pode assumir cada uma dessas faces ou nenhuma delas. Mas o que não se pode negar é que ela é sempre transformadora. E é para falar sobre a necessidade desse poder de transformação que três poetas e escritores se reunirão na manhã do dia 20, no Sesc Esplanada, para o debate “É de poesia que o mundo precisa”. A atividade faz parte da programação do Festival Cineamazônia e começa às 8 horas, com entrada franca.

Um dos convidados para o debate é José Inácio Vieira de Melo. Nascido em 1968, esse alagoano radicado na Bahia é escritor, jornalista e produtor cultural, além de possuir uma longa lista de publicações em sua trajetória como poeta. Atuou como coordenador e curador de vários eventos literários pelo país. Dentre seus livros publicados estão “Códigos do Silêncio”, “Decifração de Abismos” e “A terceira romaria”, este último vencedor do prêmio Capital Nacional de Literatura em 2005.

Talento e reconhecimento também não faltam a Ronaldo Correia de Brito. Dramaturgo, contista, romancista e cronista, Brito é considerado um dos mais respeitados escritores da atualidade. Tanto que em 2013 recebeu a Ordem do Mérito Cultural, na categoria Comendador, por relevantes serviços prestados ao país no âmbito da cultura. Seu romance “Galileia” lhe valeu o Prêmio São Paulo de Literatura de 2009, como melhor livro daquele ano. Com “Retratos imorais”, publicado em 2010, foi indicado pelo jornal O Globo na lista dos Dez Melhores Livros do Ano.

A poesia porto velhense também estará representada. Rubenz Vaz Cavalcante, o Binho, pode ser considerado um legítimo filho de Porto Velho. Nascido e criado na capital rondoninense, Binho é um artista de múltipla faces e que encontrou na escrita sua maior paixão. Se tornou doutor na área de Teoria da Literatura e atua como professor do curso de Letras da Universidade Federal de Rondônia. Seu livro “Na ponta da língua” foi selecionado para fazer parte do acervo da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil.

O encontro será mediado pelo secretário municipal de Educação de Porto Velho Marcos Aurélio Marques. Marques é professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Rondônia. Com experiência nas áreas de Letras, Filosofia e Gestão Educacional, aturando em temas como poesia brasileira e filosofia francesa do século XX.

No momento em que a arte sofre todo tipo de investida, debater o papel da poesia no mundo, a forma que ela impacta o mundo e o seu papel transformador junto às pessoas é mais que necessário. Tornou-se fundamental.

A 15ª edição do Cineamazônia tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual e da Lei Rouanet. Ainda tem o apoio cultural da Sejucel, Funcultural, Fecomércio e SESC Rondônia. O Cineamazônia é associado ao Fórum dos Festivais e membro do Green Film Network.

Você também pode gostar

Marcos Winter será o mestre de cerimônia do...

Cristina Lago, Gero Camilo, Rodrigo Lima, Cacá Carvalho, Ingra Liberato. Em comum, além do inegável talento individual, esses artistas fazem parte do time que já emprestou o próprio carisma como

ENCERRAM AMANHÃ INSCRIÇÕES PARA O CINEAMAZ...

Um dos mais democráticos e importantes festivais de cinema da Amazônia chega à reta final de inscrição. Neste dia 1º de julho a mostra competitiva da 14ª edição do Cineamazônia

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE SUBINDO O RIO GU...

Expansão da atividade agropastoril prenuncia conflito ambiental na região

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!