CINEMA E HISTÓRIA

CINEMA E HISTÓRIA

_DSC8804_Avener_PradoA caravana itinerante do Festcineamazônia chegou ao distrito de Abunã onde, ao invés da tenda que servia de palco para as projeções, dessa vez o festival utilizou a quadra esportiva da Escola Municipal Marechal Rondon, cedida pela diretora da escola, Nézia Brás.

Para Sérgio Augusto Sousa Lima, administrador do distrito, presente no evento, “o festival vem a contribuir para a área de lazer, tão deficiente aqui na cidade.” Há 10 anos vivendo em Abunã, hoje Lima tenta mediar o impacto da construção da usina Jirau, que atinge os moradores. A própria quadra onde ocorreu a projeção foi construída pelo consórcio Energia Sustentável como uma forma de mitigação dos transtornos, objetivando uma das áreas mais deficitárias da localidade: o lazer. A quadra custou R$ 435 mil. “Estávamos precisando de uma quadra coberta aqui na comunidade. Mas isso ainda é muito pouco, o impacto é grande e Abunã tem muitas necessidades”, afirmou o administrador.

Nesta quarta apresentação em cinco dias, os primeiros a chegar foram as crianças. Algumas a pé, outras em bicicleta. Animadas com a quadra, chegaram a se anteciparam à projeção para jogar bola enquanto a equipe montava o cenário. Karina e Karine, irmãs gêmeas de oito anos, que vieram junto de seus dois irmãos e os pais, queriam ver os filmes e, principalmente, ver as palhaçadas do palhaço Sorriso. Ana Clara, 7, também chegou cedo. Estava curiosa para ver os filmes, e disse que queria fazer uma apresentação de “dança da índia”: “eu fiz na inauguração da quadra!”

Abunã é uma cidade histórica, em estilo colonial, e um dos locais onde as marcas da Estrada de Ferro Madeira Mamoré – no caminho a caravana cruzou pela vila de Mutum, que foi desalojada para o lago da hidrelétrica de Jirau, e onde alguns trilhos ainda marcam presença em meio a casas destruídas e mato crescendo.

A itinerância do Festcineamazônia agora cruza o Madeira para se apresentar em Vista Alegre do Abunã.

O Festcineamazônia® Itinerante tem o patrocínio da Oi, BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura através da Lei Rouanet, Secretaria do Audiovisual, apoio cultural Oi Futuro, Funarte, Prefeitura do Municipio de Porto Velho através da SEMED e Fundação Iaripuna, Governo do Estado de Rondonia – SECEL e SEDUC.

Previous CINEMA BANDEIRANTE
Next FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE COMEÇA HOJE EM JACY-PARANÁ

Você também pode gostar

Há mais estrelas no céu do que carapanãs na Terra

  Texto e fotos: Pedro Carrilho, Fotógrafo do Cineamazonia Itinerante 16ª Edição   “Como fotógrafo, geógrafo por formação e viajante inveterado que nunca havia tido a oportunidade de conhecer os

EXTREMA

Após 70 quilometros em uma tranquila estrada de asfalto em direção ao Acre, saímos de Vista Alegre e chegamos a Extrema. Localizada ainda mais na extremidade do estado, Extrema vive,

Cineamazônia Itinerante chega a San Lorenzo e Surpresa

Depois de uma passagem pela Resex Rio Ouro Preto, Guajará-Mirim, Guayaramerín e Iata, o Cineamazônia Itinerante trocou as estradas de asfalto e chão pelo barco e chegou até a cidade