FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE É REGISTRADO PELAS LENTES DO FOTÓGRAFO E CINEASTA HUBERT HAYAUD

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE É REGISTRADO PELAS LENTES DO FOTÓGRAFO E CINEASTA HUBERT HAYAUD

A dislexia salvou Hubert Hayaud, 41 anos. A sentença é simplista e redutora, mas foi o ‘distúrbio’ que aproximou esse franco-canadense da fotografia. “Quando criança ia sempre muito mal nas escolas e descobriram que eu era disléxico. Não me saía bem na escrita, mas compensava na atenção visual e na curiosidade”, lembra. Aos dez anos sentiu o chamado da fotografia e começou a arriscar as primeiras fotos, tendo a família como tema inicial.

Como não era amigo das letras e passou a ser íntimo das imagens, Hubert foi cursar cinema. Atualmente ganha a vida como editor de documentários, mas é na fotografia que realiza os projetos pessoais. Acompanhar o Festival de Artes Integradas-Festcineamazonia Itinerante tem sido um desses projetos. É Hubert quem está registrando em imagens a expedição do festival pelo Vale do Guaporé.

“Tem sido um desafio enriquecedor”, diz ele. Hubert prefere sempre fotografar pessoas a paisagens. “Gosto de vê-las no ambiente natural delas, da maneira que vivem”, explica. E o que tem visto explode em cores. “Não tem como fazer em preto e branco aqui nessa parte da Amazônia”, diz.

As imagens resultantes da programação do Festcineamazonia estão como a missão a ser executada, mas o que encontra ao redor tem inspirado o fotógrafo. Crianças brincando nos rios, gente que passa de bicicleta, pessoas nas feiras, nas ruas. Mas sempre gente.

Hubert praticamente não usa o ‘zoom’. Segue a máxima de Robert Capa. Se a fotografia não ficou boa é porque não se está perto o suficiente. É dessa proximidade que Hubert mais gosta.

“Fotografia para mim é algo muito pessoal. É o que permite registrar minha passagem e meu ponto de vista nessa pequena vida. A fotografia faz o testemunho individual a outras individualidades a respeito desse mundo”.

Não é um testemunho neutro. Impossível ser, segundo Hubert. Em cada lugar ele acredita haver uma imersão profunda. “Depois vou olhar com mais cuidado. O que sinto é que cada viagem te modifica um pouco. Ainda não sei o que serei depois dessa imersão na itinerância”.

O Festival de Artes Integradas – Festcineamazônia Itinerante 2013 tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal através da Lei Rouanet, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, apoio cultural da Santo Antônio Energia e Parceria Institucional da Fundação Banco do Brasil.

Por Ismael Machado – Foto: Hubert Hayaud

Previous MARTIN MARTINEZ: UM ARTISTA COMPLETO POR TRÁS DO PALHAÇO DO FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE
Next COSTA MARQUES RECEBE O FESTCINEAMAZONIA ITINERANTE

Você também pode gostar

Sabugueiro, região da Serra da Estrela recebe o projeto brasileiro pela primeira vez

Sabugueiro, região da Serra da Estrela recebe o projeto brasileiro pela primeira vez.

EM CLIMA DE ELEIÇÃO, PUERTO MALDONADO VAI AO CINEMA

Divididos entre Ollanta Humala e Keiko Fujimori, os cerca de 50 mil habitantes de Puerto Maldonado – região Madre de Dios – vivem forte expectativa diante da escolha do novo

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE RUMO AO PERU

Trata-se de uma itinerância especial diante do momento por que vivem os peruanos envolvidos pela escolha do seu novo presidente no próximo domingo. Keiko Fujimori ou Ollanta Humala? As pesquisas