Cineamazônia leva arte à periferia da Bolívia

Cineamazônia leva arte à periferia da Bolívia

Um quintal sem grama em frente à uma casa simples, em um dos bairros mais perigosos da Bolívia. O cenário não costuma ser dos mais convidativos para a esmagadora maioria dos grandes festivais culturais. Mas para o Cineamazônia, é o lugar perfeito para uma sessão de cinema. Assim foi o segundo dia de exibições da Cineamazônia Itinerante 2016, no bairro boliviano de Cobija, neste sábado, 14.

palhacos cobija 2

Em uma comunidade carente de atrações artísticas, os moradores, desconfiados, apareceram timidamente no começo. Aos poucos, entretanto, o público foi se acostumando aos “forasteiros brasileiros” e foram ocupando os seus respectivos lugares.

Os mais interessados, claro, eram as crianças, que apareceram curiosas com a notícia de que veriam os palhaços. A maioria deles veria um de perto pela primeira vez naquela noite. Percebendo a animação deles, Figurita e Aguajito deram um verdadeiro show de animação e levaram a meninada ao delírio com muita interação durante as brincadeiras.

Cineamazonia Itinerante 2016 tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Lei Rouanet. Apoio Cultural da Prefeitura de Porto Velho, através da SEMA e FUNCULTURAL.

Previous Público lota praça em Iñapari no primeiro dia de Cineamazônia
Next Dia 2 - Iñapari parte I: A missão

Você também pode gostar

PEDRAS NEGRAS A MAIS IMPORTANTE COMUNIDADE QUILOMBOLA NO VALE DO GUAPORÉ RECEBE O FESTCINEAMAZÔNIA

Pedras Negras é uma reserva biológica pertencente ao município de São Francisco do Guaporé,  que depois de anos de luta hoje vive hoje um clima de otimismo. A equipe do

DISTRITO DE PORTO VELHO RECEBE OFICINA DE ANIMAÇÃO

Uma das localidades mais atingidas pelos impactos dos grandes empreendimentos em Rondônia, o distrito de Jaci-Paraná, distante a 120 quilômetros da capital Porto Velho, recebe uma oficina de animação ambiental,

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE PEGA A ESTRADA ESTA SEMANA, LEVANDO CINEMA E CIRCO PARA OS DISTRITOS DE PORTO VELHO

‘Silêncio total’. O bordão usado como mote pelo ator Luiz Carlos Vasconcelos para dar vida ao Palhaço Xuxu, costuma ficar impregnado na cabeça da platéia dias depois de findo o