Cineamazônia leva oficina de pinhole para comunidades do Guaporé

Parece mágica. E é.  Um minúsculo buraco em uma caixinha comum. E um processo mágico se faz com a luz. Fotografia. O princípio básico. Essa talvez seja uma definição simplista, mas precisa, da técnica de fotografia Pinhole. Essa captura mágica de um momento será repassada a crianças em oficinas realizadas em comunidades quilombolas e ribeirinhas banhadas pelo Rio Guaporé durante a itinerância do Cineamazônia 2016, que inicia no dia 13 de julho e se estende até o dia 24 do mesmo mês.

A oficina será ministrada pela jornalista e fotógrafa Bete Bullara. Formada em Cinema pela Universidade Federal Fluminense faz parte da equipe do CINEDUC desde 1975, onde participou de cursos para crianças e adolescentes, treinamento de professores, mesas redondas e palestras, tanto no Brasil como no exterior. Preparou materiais didáticos, tanto teóricos como de exercícios. Atualmente é Secretária Executiva da entidade.

“A proposta da oficina é mostrar como funciona a luz, o nosso olho, a câmera escura, os processos químicos e por fim realizar a magia de registrar imagens com uma caixinha comum. Os participantes farão suas próprias fotos, que serão então reveladas e colocadas em papel usando o sistema químico anterior ao digital”, explica a fotógrafa.

Literalmente ‘pinhole’ significa ‘buraco de agulha’. É justamente esse o tamanho do orifício a ser feito nas caixinhas dos participantes da oficina. O processo é o princípio básico da fotografia em seus primórdios, muito antes de se pensar em digitalização.

“Hoje o mundo nem pode ser pensado sem esse registro de imagem com o qual estamos diariamente em contato, ou vendo ou fazendo. Fotografias, filmes, vídeos, TV, imagens feitas por profissionais, por amadores, nas revistas e jornais, na internet, na parede das casas e das lojas, no nosso celular, o mundo é farto de imagens que nos trazem notícias de longe e de muito perto, como nos casos das selfies”, analisa Bete Bullara.

Entender de onde vem esse fascínio pela imagem, pode ser mais fácil quando se busca compreender a origem de tudo. Bete Bullara defende a ideia de que, mesmo com toda a tecnologia disponível se desenvolvendo em ritmo alucinante e colocando no mercado a todo momento um novo produto, sempre houve quem utilizasse recursos mais simples e bem antigos para criar e se expressar artisticamente. “A fotografia pinhole feita com uma pequena câmara escura e sem lentes é um deles”, diz ela.

“Para a fotografia ser inventada, foram necessárias inúmeras descobertas científicas que propiciaram muitos inventos. Inicialmente foi fundamental entender cientificamente como a luz se comporta. E então surgiu o invento da câmera escura, ao que tudo indica já no século V”, explica.

A técnica é surpreendentemente simples. Sabendo que a luz se desloca em linha reta, foi criada uma caixa totalmente fechada, com um pequeno orifício para permitir a entrada da luz. A caixa tinha de ser toda pintada de preto por dentro, com exceção  da parte de trás, onde a luz se reflete. A câmera escura teve muitos usos práticos, de experimentos científicos a artísticos. Leonardo Da Vinci foi um dos que usaram a caixa. Estavam dados os primeiros passos para o surgimento da fotografia.

“O trabalho da oficina é de estímulo à criatividade e ao olhar atento para o entorno. Mas também falaremos um pouco da ciência”, explica Bullara, com a experiência de quem já ministrou 67 oficinas para professores e para jovens de 16 estados brasileiros.

O Cineamazônia Itinerante 2016 tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Lei Rouanet.  Apoio Cultural da Prefeitura de Porto Velho, através da SEMA e FUNCULTURAL.

 

 

Previous Exploração de latifundiários transforma vilarejo em campo de conflito aberto
Next Conheça os palhaços que participarão da segunda fase do Cineamazônia Itinerante 2016

Você também pode gostar

Escolhidos os filmes que participarão da Mostra Competitiva do Cineamazônia 2016

Estão definidos os filmes que participarão da Mostra Competitiva do 14º Festival Latino Americano de Cinema Ambiental (Cineamazônia). Ao todo, 44 filmes concorrerão à Mostra Competitiva 2016, entre documentários, animações,

Cineamazônia Itinerante passa pelo Quilombo de Pedras Negras, Mateguá e Porto Rolim

Depois de ir até o Quilombo de Santo Antônio e a vila boliviana de Versalles, o Cineamazônia Itinerante chegou a outro ponto importante do Rio Guaporé, na terça-feira (05): o

Cineamazonia Itinerante – 16ª Edição acontece no mês de junho

  A 16ª Edição do Cineamazonia Itinerante acontece entre os dias 01 a 20 de junho de 2019. Para a edição deste ano, serão percorridas as comunidades de Cabixi (01/06),