Oficina de pinhole consagra primórdios da fotografia no Cineamazônia

Texto: Ismael Machado e Michelle Maia
Fotos: Zeca Ribeiro
Edição: Lui Machado

O terceiro dia de programação do Cineamazônia Itinerante 2016 mostrou, de forma simples, mas efetiva, a importância do projeto como fomentador de uma cultura viva. Tudo isso foi sintetizado no momento em que a coordenadora Fernanda Kopanakis anunciou Bete Bulara, pedindo que ela falasse um pouco sobre a oficina de fotografia artesanal, baseada na técnica de pinhole.

Bete Bulara havia passado a manhã com oito adolescentes explorando os princípios básicos da fotografia. Explicou como a luz interfere e modifica completamente o objeto fotografado e como a fotografia se transformou em imagem de cinema. O processo de revelação da fotografia no laboratório montado no barco impressionou os estudantes.

A oficina alimentou sonhos. “Decidi fazer porque tenho um apreço enorme por fotografia. Tenho uma câmera digital pequena e não profissional. Já faz um tempo que gosto de tentar fotografar. Saio às vezes para fazer alguns experimentos quando a luz está bonita”, disse Fernanda Andrade, 15 anos.

Itinerância Vale do Guaporé

Itinerância Vale do Guaporé

“Quero ter contato depois com a câmera profissional e saber um pouco o que fazer. Faço bastante foto com celular e tenho uma digital pequena também”, afirmou Laryce Coelho, 18 anos.

À noite, Bete Bulara entregou o resultado do experimento do Pinhole antes do início da sessão em Guajará-Mirim. “É sempre muito interessante. Fico feliz com o resultado”, disse Bete, com as fotos em preto e branco nas mãos. A maioria mostrava a paisagem da floresta que margeia o rio no município rondoniense.

A oficina serviu para aproximar pessoas de uma paixão. A fotografia. “Não fiz curso presencial porque não tem aqui em Guajará-Mirim, mas faço um curso pela internet e procuro sempre tutoriais também. Minha maior vontade é me especializar em fotografia ‘newborn’ (de bebês) porque estou com mais de oito meses de gravidez e só penso em bebês agora”, explicava Ana Clara, 17 anos.

Se o momento foi de alegria para Bete Bulara por ter iniciado as oficinas na itinerância, para Geisa Helena, a palhaça Chiquita, a noite não deixou de ser um certo alívio. Foi uma apresentação ‘na raça’, já que desde a manhã a artista circense havia ficado quase sem voz depois de uma noite consagradora em Iata. Mas o problema nas cordas vocais não impediu o espetáculo.

Itinerância Vale do Guaporé

Itinerância Vale do Guaporé

Para os estudantes que participaram da oficina de fotografia, a comparação com as imagens n a tela eram inevitáveis. Principalmente durante a exibição do curta ‘A Culpa é do Neymar’, comédia de 11 minutos dirigida por João Ademir, que também já havia sido sensação no Cinefoot deste ano.

A noite em Guajará-Mirim marcou a penúltima apresentação antes de iniciar a expedição pelo rio Guaporé. Neste sábado, será feita a apresentação em Guaiarameryn.

Cineamazonia, 14a EDIÇÃO, tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Lei Rouanet. Apoio Cultural da Prefeitura de Porto Velho, através da SEMA.

Previous Sob a luz vermelha de Iata
Next Uma só linguagem em Guayaramerin: arte

Você também pode gostar

Xuxu mostra com quantos sorrisos se faz um palhaço

Espetáculo que integra mostra Cinema no Circo, do Cineamazônia 2016 fechou a noite no bairro Ayrton Senna, em Porto Velho Um barracão lotado de crianças ansiosas. Antes mesmo de chegar

Após 15 horas, Cineamazônia Itinerante chega ao Acre

A caravana do Cineamazônia partiu no final da manhã da quarta-feira (02) com uma van, um caminhão e 13 pessoas para levar cinema e arte ao Peru, Acre e distritos

Cineamazonia Itinerante – 16ª Edição exibe filmes na Bolívia

  Como parte do projeto da mostra de filmes da 16ª Edição do Cineamazônia Itinerante, serão exibidos em quatro cidades da Bolívia, as margens do Rio Guaporé, com a seguinte