Surpresa boa

Surpresa boa

Texto: Ismael Machado
Fotos: Zeca Ribeiro
Edição: Lui Machado

Botos e jacarés começam a fazer parte da paisagem. E pássaros, muito pássaros. Uma revoada de biguás nos encanta. Coisas de natureza.

Mas o que tem me encantado são as histórias. Seja a de nossos personagens dos Museus Vivos, seja de qualquer um que passemos a conversar. Como Vitória, uma menina linda e cheia de sonhos, que guiou a mim e Lui até a casa de uma professora que tinha internet em Surpresa.

Vitória quer ser veterinária e deixar os cabelos crescerem sem parar, como Rapunzel, ela enfatiza. Eu e Lui nos olhamos, sensibilizados. Tomara que os sonhos de Vitória se concretizem. O nome adequado ela já tem.

Itinerância Vale do Guaporé

Itinerância Vale do Guaporé

Fui me meter a jogar futebol numa tarde e a coluna deu um aviso. No dia seguinte preferi assistir os meninos jogarem. Gabriel faz um golaço por cobertura e outro com passe açucarado de Lui. Depois tomo duas latinhas de Glacial com o Lui enquanto um carro espalha fumacê pela localidade. Caso contrário fica impossível suportar os mosquitos.

Itinerância Vale do Guaporé

Itinerância Vale do Guaporé

Pela manhã acompanhei uma ida até a aldeia Sagarana, próxima a Surpresa. O que me chamou a atenção foi um médico cubano, chamado Ramón, que faz parte do programa Mais Médicos. Vendo o médico trabalhar, com tanta boa vontade e depois conversando com ele, fico imaginando o quanto as pessoas que criticam o programa não sabem mesmo do que falam. Aliás, seria bom que os barraqueiros da avenida Paulista saíssem de frente da Fiesp e tentassem conhecer o Brasil.

Veriam que o pais é maior que eles pensam.

Tem feito um frio gostoso. Há quem se empacote todo. E é interessante perceber cada um integrado em suas próprias atividades. É cansativo, mas prazeroso.

Itinerância Vale do Guaporé

Itinerância Vale do Guaporé

E eu prometi à Morena, uma das responsáveis pela cozinha, que a cada dia cantaria um trecho de música que falasse a palavra morena. O meu repertório está se esgotando, mas não posso decepcionar Morena. Aceito sugestões.

Alexandre, o palhaço, me explica que está criando uma cena nova para o espetáculo em terras bolivianas. É que o lance da língua acaba sim por ser um pequeno entrave para o entendimento de determinados esquetes e gags. Segundo Alê o novo quadro será mais visual e menos lingüístico.

E de repente lembrei de José Luís Peixoto, o poeta português. ‘Foi um rio que me trouxe’, ele diz.

E o rio que nos trouxe, também nos leva.

Seguimos.

Previous Surpresa e vitória para o Cineamazônia
Next Cineamazônia Encontra Abrigo em Forte Príncipe Da Beira

Você também pode gostar

DIÁRIO DE BORDO (PERU)

Embora tensos, partimos para a segunda etapa da itinerancia do FestCineamazônia-2011 certos de que a experiência de outras três expedições, e da última por quatro cidades bolivianas (31/5 a 13/6),

DIÁRIO DE BORDO – SANTA CRUZ DE LA SIERRA (BOLÍVIA)

O produtor Rogério Danin seguiu de avião para Santa Cruz de La Sierra, uma semana antes do evento. Lá reencontra familiares que facilitam sua produção, agendando entrevistas em canais de

Cineamazônia Itinerante passa por Santo Antônio e Versalles

Depois de 18 horas de viagem, saindo de Costa Marques, o Cineamazônia Itinerante chegou até o Quilombo de Santo Antônio, onde exibiu filmes curta metragens e aconteceu a apresentação do