Tom político e homenagem marcam o quarto dia de festival

Tom político e homenagem marcam o quarto dia de festival

Festival lembrou mortes por conflitos agrários e entregou o Troféu Mapinguari à Betty Mindlin, homenageada da noite

“Precisamos falar de política”, cantou Simone Mazzer ao fim do discurso de abertura do quarto dia da 15ª edição do Cineamazônia, que ocorreu ontem (sexta-feira), no Sesc Esplanada. De fato, o festival elevou o tom político e em favor da defesa dos direitos humanos e pela preservação ambiental. Temas sérios e que acompanham o Cineamazônia desde seu início.

 

O início já veio com porrada. Contando até 61, a mestre de cerimônias Simone Mazzer lembrou os mortos pelos conflitos agrários em 2016. Logo depois foi a vez da homenageada da noite. Em discurso emocionado e com o Troféu Mapinguari em mãos, a antropóloga Betty Mindlin, conhecida por seus trabalhos e estudos envolvendo tribos indígenas, agradeceu à organização pela homenagem. Ela também lembrou a necessidade de continuar resistindo aos ataques contra os direitos humanos e dos povos indígenas.

 

Após a homenagem foi a vez de começar a sessão de cinema. Quem abriu foi “Metempsicose”, animação acreana de Ítalo Rocha e Marcelo Zuza. Após o filme, uma sequência de dois média metragens que colocaram temas Amazônia como plano de fundo. Cada um à sua maneira, dialogando com o duro discurso da abertura.

A ficção “Cidade Invisível”, de Thiago Foresti e Renan Montenegro, arrancou gargalhadas da plateia pelos diálogos divertidos. O tema central, entretanto, era mais sério: a relação abusiva de empregadores e empregados na extração de madeira na Amazônia, que trabalhavam em regime análogo à escravidão.

Já o documentário “Guardiãs da Floresta – Sônia Guajara”, de Betse de Paula, acompanha a luta de uma importante lider indígena, que dá o nome ao filme. A sessão terminou com o documentário “Não só sereias ou faunos”, de Sara Bonfim, eu retrata a conexão profunda entre homem e natureza.

A 15ª edição do Cineamazônia tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual e da Lei Rouanet. Ainda tem o apoio cultural da Sejucel, Funcultural, Fecomércio e SESC Rondônia. O Cineamazônia é associado ao Fórum dos Festivais e membro do Green Film Network.

Previous Terceiro dia do Cineamazônia tem teatro lotado e emoção de diretora estreante
Next Cineamazônia se despede de 2017 em noite de homenagem à produção local

Você também pode gostar

Sali Hughes on facial sunblocks

Nam in pharetra nulla. Cras aliquet feugiat sapien a dictum. Sed ullamcorper, erat eu cursus sollicitudin, lorem orci condimentum ante, non tincidunt velit dolor eget lacus. Ut dolor ex, gravida

TUDO PRONTO PARA MAIS UMA ETAPA DO FESTIVAL DE ARTES INTEGRADAS-FESTCINEAMAZONIA ITINERANTE.

O festival percorrerá de 12 a 21 de setembro 6 cidades do Amazonas, Acre, Peru e Bolívia. A Itinerancia começa em Humaitá-AM, no dia 12, a caravana parte de Porto

PERMISSO, QUERO CONTAR MINHA HISTÓRIA…

Logo ao chegar na pequena comunidade de Mateguá, Rio Guaporé, no dia 19 de agosto, fomos recebidos pela jovem liderança do local, Anselmo Rios Escalera, que depois de nos dar