CINEAMAZÔNIA PROMOVE ENCONTRO ENTRE MÚSICA E CINEMA EM PORTO VELHO

O nome causa surpresa, mas dá uma pista da intenção do filme. ‘Xingu Cariri Caruaru Carioca’, da diretora carioca Beth Formaggini, utiliza a música para contar uma história que fala de mundos que se aproximam e se conectam. Em busca de suas origens musicais e as raízes das flautas, Carlos Malta é um dos músicos que se reúnem para conversar e tocar juntos os sons tradicionais das “culturas populares” e “cultura pop”.

470031-1-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Esse encontro entre mundos diversos e que se complementam será exibido quinta-feira, 10 de novembro, na Escola de Música Jorge Andrade, em Porto Velho. A exibição integra a mostra ‘Cinema e Música’ e marca o início das atividades paralelas da edição 2016 do Cinemazônia. A exibição ocorrerá às 19 horas. A escola de música está localizada na rua Abunã, bairro Liberdade.

‘Xingu Cariri Caruaru Carioca’ inaugura uma novidade em relação às atividades paralelas do Cineamazônia. A edição 2016 terá atividades paralelas mais cedo em relação a edições anteriores. Tradicionalmente todas as mostras, como Cinema no Bairro, Cinema no Terreiro e  Cinema no Circo, por exemplo, ocorriam na mesma semana do festival. Esse ano, as atividades paralelas começam mais cedo e trazem como novidade a mostra Cinema e Música.

Depois da exibição do filme será feita uma roda de conversa coordenada pelos professores da Escola de Música. O documentário tem pouco mais de uma hora e meia de duração e tem no pífano, instrumento popularizado mundialmente graças à banda de Pífanos de Caruaru, grupo que também ganhou o Brasil a partir da gravação de Gilberto Gil de Pipoca Moderna, logo ao retornar do exílio londrino causado pela ditadura militar. Gil, aliás, foi o responsável, com essa gravação por fazer com que Malta se apaixonasse pelo ‘pife’. O instrumento foi definido por Carlos Malta como ‘uma chave que abre as portas da alegria’. A partir dessa epifania musical, Malta decidiu que seria músico.

No filme, Carlos Malta viaja pelo Brasil encontrando músicos importantes na tradição do instrumento, como João do Pife, e passa pelas paisagens de um Brasil que está às margens, ‘longe demais das capitais’. Malta vai do Rio ao Xingu, atravessando Ceará, Paraíba e Pernambuco em busca de um som que, segundo Malta, sempre o encantou.

Ao explicar o filme a diretora Beth Formaggini enfatiza que o documentário é um registro de histórias de pessoas ao redor do Brasil e suas relações com o instrumento. Por conta disso, os diálogos “conversados” são poucos. Os de natureza musical são os que enchem a tela, junto com as paisagens por onde a equipe passou, como a aldeia da tribo Kuikuro do Alto Xingu. A música é o mais importante. As filmagens foram feitas entre maio e agosto de 2014.

Cineamazonia, 14a EDIÇÃO, tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Lei Rouanet. Apoio Cultural da Prefeitura de Porto Velho, Sejucel e Unir – Universidade Federal de Rondônia.

SERVIÇO

Local: Escola de Música Jorge Andrade
Rua Abunã 2805, Liberdade
Hora: 19 horas
Data: 10 de Novembro (Quinta-Feira)

Previous Escolhidos os filmes que participarão da Mostra Competitiva do Cineamazônia 2016
Next Veja a programação completa da mostra competitiva do Cineamazônia 2016

Você também pode gostar

Cineamazônia oferece oficina gratuita para levar cinema às escolas

Oficina de Bete Bullara será realizada entre os dias 23 e 25 de novembro no Centro de Formação do Teatro Banzeiros. As inscrições para os dois cursos-oficinas podem ser feitas através do site www.cineamazonia.com.br/oficinas. Aprofundar-se no

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE SUBINDO O RIO GUAPORÉ CHEGA A PORTO ROLIM DE MOURA

Expansão da atividade agropastoril prenuncia conflito ambiental na região

Cineamazônia anima público de Assis Brasil (AC) e Iñapari, no Peru

Após uma longa viagem, o Cineamazônia Itinerante chegou a Assis Brasil na quinta-feira (03), para a primeira atividade da caravana prevista até o dia 14 de agosto. O local escolhido