FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE É REGISTRADO PELAS LENTES DO FOTÓGRAFO E CINEASTA HUBERT HAYAUD

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE É REGISTRADO PELAS LENTES DO FOTÓGRAFO E CINEASTA HUBERT HAYAUD

A dislexia salvou Hubert Hayaud, 41 anos. A sentença é simplista e redutora, mas foi o ‘distúrbio’ que aproximou esse franco-canadense da fotografia. “Quando criança ia sempre muito mal nas escolas e descobriram que eu era disléxico. Não me saía bem na escrita, mas compensava na atenção visual e na curiosidade”, lembra. Aos dez anos sentiu o chamado da fotografia e começou a arriscar as primeiras fotos, tendo a família como tema inicial.

Como não era amigo das letras e passou a ser íntimo das imagens, Hubert foi cursar cinema. Atualmente ganha a vida como editor de documentários, mas é na fotografia que realiza os projetos pessoais. Acompanhar o Festival de Artes Integradas-Festcineamazonia Itinerante tem sido um desses projetos. É Hubert quem está registrando em imagens a expedição do festival pelo Vale do Guaporé.

“Tem sido um desafio enriquecedor”, diz ele. Hubert prefere sempre fotografar pessoas a paisagens. “Gosto de vê-las no ambiente natural delas, da maneira que vivem”, explica. E o que tem visto explode em cores. “Não tem como fazer em preto e branco aqui nessa parte da Amazônia”, diz.

As imagens resultantes da programação do Festcineamazonia estão como a missão a ser executada, mas o que encontra ao redor tem inspirado o fotógrafo. Crianças brincando nos rios, gente que passa de bicicleta, pessoas nas feiras, nas ruas. Mas sempre gente.

Hubert praticamente não usa o ‘zoom’. Segue a máxima de Robert Capa. Se a fotografia não ficou boa é porque não se está perto o suficiente. É dessa proximidade que Hubert mais gosta.

“Fotografia para mim é algo muito pessoal. É o que permite registrar minha passagem e meu ponto de vista nessa pequena vida. A fotografia faz o testemunho individual a outras individualidades a respeito desse mundo”.

Não é um testemunho neutro. Impossível ser, segundo Hubert. Em cada lugar ele acredita haver uma imersão profunda. “Depois vou olhar com mais cuidado. O que sinto é que cada viagem te modifica um pouco. Ainda não sei o que serei depois dessa imersão na itinerância”.

O Festival de Artes Integradas – Festcineamazônia Itinerante 2013 tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal através da Lei Rouanet, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, apoio cultural da Santo Antônio Energia e Parceria Institucional da Fundação Banco do Brasil.

Por Ismael Machado – Foto: Hubert Hayaud

Previous MARTIN MARTINEZ: UM ARTISTA COMPLETO POR TRÁS DO PALHAÇO DO FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE
Next COSTA MARQUES RECEBE O FESTCINEAMAZONIA ITINERANTE

Você também pode gostar

Cineamazônia Itinerante passa pelo Quilombo de Pedras Negras, Mateguá e Porto Rolim

Depois de ir até o Quilombo de Santo Antônio e a vila boliviana de Versalles, o Cineamazônia Itinerante chegou a outro ponto importante do Rio Guaporé, na terça-feira (05): o

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE RUMO AO PERU

Trata-se de uma itinerância especial diante do momento por que vivem os peruanos envolvidos pela escolha do seu novo presidente no próximo domingo. Keiko Fujimori ou Ollanta Humala? As pesquisas

Cineamazônia fecha segunda etapa da itinerância em Pimenteiras

O Cineamazônia completou, nesta quarta-feira (03) mais uma etapa do projeto de itinerância do festival. De barco, a caravana cultural do Cineamazônia Itinerante visitou dezessete localidades ribeirinhas que receberam as