INTEGRAÇÃO CULTURAL COM CINEMA, MÚSICA E CIRCO NAS FRONTEIRAS DO VALE DO GUAPORÉ

INTEGRAÇÃO CULTURAL COM CINEMA, MÚSICA E CIRCO NAS FRONTEIRAS DO VALE DO GUAPORÉ

No fim da tarde do dia 21 de agosto, o batelão “Pato Selvagem” – que leva a equipe do Festcineamazônia Itinerante pelo Vale do Guaporé – aporta na comunidade boliviana de Remanso. No local, vivem aproximadamente 700 pessoas. Um grande campo de grama entre o rio e as primeiras casas. Rapazes com motos antigas. Tudo ali parece ser um tanto quanto antigo.

Casas de madeira ou de pau a pique. Escola estruturada, um grande ginásio esportivo em construção.  Como nas demais comunidades bolivianas na margem do rio Guaporé, com exceção de Mateguá, a forte presença do exército, que sempre tem uma base nas localidades.

Bares, luzes coloridas. Mercearias. Uma espécie de padaria e também de bilhar, em baixo de um frondoso pé de tamarindo. Ali, fazem uma tortilla deliciosa. Massa fina, amanteigada e com muito açúcar.

Uma dezena de rapazes vidrados na televisão, uma das únicas por ali. Na tela, uma novela mexicana ou colombiana. Mulheres com maquiagem e expressões carregadas. Cenários, vestidos e roupas de cores vivas. Expressões exageradas e drama, muito drama. A novela parece dirigida por um Pedro Almodóvar cru, no início da carreira, brutal.

No dia seguinte, ainda pela manhã, o batelão seguiu para a vizinha comunidade de Cafetal, também nas margens bolivianas do rio Guaporé, onde ocorreu a apresentação daquela noite. Menor, em muitos aspectos, a vila assemelha-se a Remanso. Porém, com a presença militar muito mais forte. Ali, existe uma grande base do exército boliviano.

A apresentação daquela noite em Cafetal foi um sucesso. O terreno na beira do rio, onde montou-se a tela, estava completamente cheio. Grande parte das cadeiras ocupadas por militares e as suas famílias, um público total de mais de 250 pessoas. Praticamente, a comunidade toda.

Logo após a apresentação do compositor Rodolfo Minari, que acompanha o grupo, o palhaço mineiro Titetê revelou-se mais solto e ousado do que nunca. Também, quase 20 dias seguido de espetáculo. Liberdade igual a de um palhaço, talvez só os loucos possuem. A plateia era desafiadora, militares.

Por ser palhaço, Titetê pôde tudo. Colocou tenentes para jogar balões coloridos pro alto. Sargentos dançaram com as cadeiras. Subiu nas pernas dos soldados e escalou por sobre seus ombros. Gritou, em um “portunhol” único, sua sandices. Virou pelo avesso a ordem. Com sua boneca de pano surrada e graciosa, a “Titinha”, fez promessas de amor.

Foi aplaudido como nunca. Inclusive, os rígidos militares precisam, em algum momento, voltarem a ser crianças. O palhaço consegue esta proeza.

Remanso

A apresentação em Remanso ocorreu no dia seguinte, 23 de agosto. O campo, no qual foi montado a estrutura da Festcineamazônia Itinerante, recebeu centenas de moradores, todos muito animados, por volta de 400 pessoas. O evento foi aberto pelo prefeito da comunidade, Nelson Herrera, que no fim de sua fala, enfatizou a importância do projeto nas áreas de fronteira.

Em seguida, o delegado do local, Inácio Macoñon, ressaltou a importância das trocas culturais entre os países fronteiriços. Disse ainda que Bolívia e Brasil são pátrias irmãs e projetos que buscam fortalecer esta aliança são sempre muito importantes e bem vindos.

O Festcineamazônia Itinerante tem o patrocínio do BNDES, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Lei Rouanet, apoio cultural da Fundação Saramago e Iphan. Parceiros de Mídia Rádio Parecis FM e Canal Brasil. O Festcineamazônia é membro do Green Film Network e Fórum dos Festivais.

Você também pode gostar

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE MUDA ROTINA DE U...

A chuva ameaçou, mas não tirou o ânimo e nem a vontade dos moradores do distrito de União Bandeirantes, aproximadamente 160 quilômetros de Porto Velho, de assistir as apresentações de

How I learned to stop worrying and smell the ...

Nam in pharetra nulla. Cras aliquet feugiat sapien a dictum. Sed ullamcorper, erat eu cursus sollicitudin, lorem orci condimentum ante, non tincidunt velit dolor eget lacus. Ut dolor ex, gravida

PERMISSO, QUERO CONTAR MINHA HISTÓRIA…

Logo ao chegar na pequena comunidade de Mateguá, Rio Guaporé, no dia 19 de agosto, fomos recebidos pela jovem liderança do local, Anselmo Rios Escalera, que depois de nos dar

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!