POETA PORTUGUÊS JOSÉ LUIS PEIXOTO NO FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE

A poesia vai descer o rio no Vale do Guaporé em Rondônia. Sem ser uma imagem metafórica, é mais com uma leitura literal que isso vai ocorrer. O premiado poeta português José Luís Peixoto vai acompanhar a expedição do Festcineamazônia em agosto.

“Teremos a presença dele a declamar poesia e contar histórias por 13 comunidades brasileiras e bolivianas. E o melhor, está pronto um livro totalmente dedicado a essa viagem que será distribuído para as comunidades. É utópico falar, mas quem sabe teremos a partir desse plantar palavras, outras realidades”, diz Jurandir Costa, um dos coordenadores do Festcineamazônia.

O resultado também será transformado em livro. José Luis Peixoto diz que aproveitará a experiência para produzir um livro especial sobre a itinerância pelo Vale do Guaporé.

O encontro entre os organizadores do Festcineamazônia e o poeta português surgiu por força de circunstâncias consideradas especiais. “Há uns cinco anos eu e Fernanda (Kopanakis, também coordenadora do Festcineamazônia) estávamos assistindo um desses programas de literatura da TV a cabo, e durante uma entrevista um poeta português declama um poema. Não sabíamos o nome do poema e a única coisa que lembramos era do ‘éramos cinco’, presente na poesia. Buscamos na internet e encontramos o poema”, diz Jurandir Costa.

O tal poema que seduziu Jurandir e Fernanda dizia: “na hora de pôr a mesa, éramos cinco:

o meu pai, a minha mãe, as minhas irmãs e eu/ depois, a minha irmã mais velha casou-se/ depois, a minha irmã mais nova casou-se/ depois, o meu pai morreu/ hoje, na hora de pôr a mesa, somos cinco, menos a minha irmã mais velha que está na casa dela, menos a minha irmã mais nova que está na casa dela/ menos o meu pai, menos a minha mãe viúva/ cada um deles é um lugar vazio nesta mesa onde como sozinho/ mas irão estar sempre aqui/ na hora de pôr a mesa, seremos sempre cinco/enquanto um de nós estiver vivo, seremos sempre cinco”.

Impressionados pela profundidade das palavras de Peixoto, os coordenadores do Festcineamazônia procuraram pelo poeta assim que chegaram a Portugal, para uma etapa da itinerância do festival. “Através da internet deixamos recado e falamos do Festcineamazonia e do nosso quadro ‘É de poesia que o mundo precisa”, já que tínhamos a intenção de convidá-lo a ir ao Brasil participar desse debate”, diz Jurandir.

Peixoto conheceu o projeto. Os três marcaram uma conversa e, como para abençoar o encontro, encontraram-se onde um dos mais ilustres poetas portugueses, Fernando Pessoa, costumava tomar café em Lisboa, ‘A Brasileira’.  Peixoto não só se entusiasmou com o projeto como pediu para acompanhar a equipe na itinerância do Vale do Guaporé. Um filme em co-produção entre Portugal e Brasil irá registrar o trajeto de Peixoto em terras e águas amazônicas.

O Festival de Artes Integradas – Festcineamazônia Itinerante 2013 tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal através da Lei Rouanet, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, apoio cultural da Santo Antônio Energia, Apoio Institucional Fundação Banco do Brasil.

Previous ÉVORA - PORTUGAL APLAUDE FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE
Next GUAJARÁ MIRIM É O PONTO DE PARTIDA DA ITINERANCIA 2013 DO FESTCINEAMAZÔNIA

Você também pode gostar

SAO CARLOS RECEBE FESTCINEAMAZONIA ITINERANTE 2010

Durante quatro dias da semana passada, estivemos participando do Fest Cineamazônia através do Projeto Itinerância nos distritos do baixo Madeira São Carlos, Nazaré e Calama. Nossa participação atendeu o convite

O FILME CONVIDADO DAMOCRACY, SERÁ EXIBIDO NA NOITE DE ABERTURA DO FESTCINEAMAZÔNIA 2013

Damocracy, um filme que, pela primeira vez, relaciona dois grandes desastres humanitários e ambientais em andamento, perpetrados por governos de dois países: no Brasil, a hidrelétrica de Belo Monte, no rio

Lauren Laverne on style: contemporary fashion

Nam in pharetra nulla. Cras aliquet feugiat sapien a dictum. Sed ullamcorper, erat eu cursus sollicitudin, lorem orci condimentum ante, non tincidunt velit dolor eget lacus. Ut dolor ex, gravida