FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE É REGISTRADO PELAS LENTES DO FOTÓGRAFO E CINEASTA HUBERT HAYAUD

A dislexia salvou Hubert Hayaud, 41 anos. A sentença é simplista e redutora, mas foi o ‘distúrbio’ que aproximou esse franco-canadense da fotografia. “Quando criança ia sempre muito mal nas escolas e descobriram que eu era disléxico. Não me saía bem na escrita, mas compensava na atenção visual e na curiosidade”, lembra. Aos dez anos sentiu o chamado da fotografia e começou a arriscar as primeiras fotos, tendo a família como tema inicial.

Como não era amigo das letras e passou a ser íntimo das imagens, Hubert foi cursar cinema. Atualmente ganha a vida como editor de documentários, mas é na fotografia que realiza os projetos pessoais. Acompanhar o Festival de Artes Integradas-Festcineamazonia Itinerante tem sido um desses projetos. É Hubert quem está registrando em imagens a expedição do festival pelo Vale do Guaporé.

“Tem sido um desafio enriquecedor”, diz ele. Hubert prefere sempre fotografar pessoas a paisagens. “Gosto de vê-las no ambiente natural delas, da maneira que vivem”, explica. E o que tem visto explode em cores. “Não tem como fazer em preto e branco aqui nessa parte da Amazônia”, diz.

As imagens resultantes da programação do Festcineamazonia estão como a missão a ser executada, mas o que encontra ao redor tem inspirado o fotógrafo. Crianças brincando nos rios, gente que passa de bicicleta, pessoas nas feiras, nas ruas. Mas sempre gente.

Hubert praticamente não usa o ‘zoom’. Segue a máxima de Robert Capa. Se a fotografia não ficou boa é porque não se está perto o suficiente. É dessa proximidade que Hubert mais gosta.

“Fotografia para mim é algo muito pessoal. É o que permite registrar minha passagem e meu ponto de vista nessa pequena vida. A fotografia faz o testemunho individual a outras individualidades a respeito desse mundo”.

Não é um testemunho neutro. Impossível ser, segundo Hubert. Em cada lugar ele acredita haver uma imersão profunda. “Depois vou olhar com mais cuidado. O que sinto é que cada viagem te modifica um pouco. Ainda não sei o que serei depois dessa imersão na itinerância”.

O Festival de Artes Integradas – Festcineamazônia Itinerante 2013 tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal através da Lei Rouanet, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, apoio cultural da Santo Antônio Energia e Parceria Institucional da Fundação Banco do Brasil.

Previous FESTCINEAMAZÔNIA PRORROGA INSCRIÇÕES DE PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS
Next MARTIN MARTINEZ: UM ARTISTA COMPLETO POR TRÁS DO PALHAÇO DO FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE

Você também pode gostar

FEST CINEAMAZÔNIA® 2010 REALIZA ETAPA ITINERANTE NO BAIXO MADEIRA

O Fest Cineamazônia® – Festival Latino Americano de Cinema e Vídeo Ambiental realiza a etapa itinerante 2010. A primeira viagem foi para as localidades da região do Baixo Madeira, em Porto Velho. Em uma embarcação

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE É DOCUMENTADO POR UM DOS GRANDES FOTÓGRAFOS DA HISTÓRIA DE RO

Santilli fotografa os últimos trilhos da EFMM O fotógrafo e documentarista Marcos Santilli volta a Rondônia após nove anos para documentar o Festival Latino Americano de Cinema e Vídeo Ambiental

Diário de Bordo – VISTA ALEGRE DO ABUNÃ

O melhor meio de transporte é a roldana. Pensei nisso ao ver os cabos de alta tensão cortando a mata em linha reta. Se fosse possível andar neles em uma