Remanso marca despedida de Cineamazônia da fronteira boliviana

Texto: Ismael Machado
F0tos: Zeca Ribeiro
Edição: Lui Machado

 A bandeira da Bolívia desfraldada com emoção ao final do espetáculo era o principal símbolo do final da etapa boliviana do Cineamazônia Itinerante 2016. A bandeira foi aberta por Geysa Helena e Alexandre, os palhaços Cotonete e Chiquita no momento da foto que registraria a apresentação em Remanso, localidade boliviana às margens do Rio Guaporé.

Foi uma exibição especial, tanto do cinema como da apresentação dos palhaços. A tela e o picadeiro foram montados às margens do rio, à frente de um imenso descampado, com direito a campo de futebol.

Itinerância Vale do Guaporé

Itinerância Vale do Guaporé

Além de ser a última sessão em terras bolivianas da fronteira, era o início das comemorações da semana da pátria na Bolívia. E também uma moradora fazia aniversário de 15 anos. Duas confraternizações em locais bem próximos.

Depois de Remanso, a última etapa da Itinerância é no município de Pimenteiras, em Rondônia.

Cineamazonia, 14a EDIÇÃO, tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Lei Rouanet. Apoio Cultural da Prefeitura de Porto Velho, através da SEMA

Previous Cafetal e Laranjeiras: arte e cultura nas duas margens do Guaporé
Next Cineamazônia fecha segunda etapa da itinerância em Pimenteiras

Você também pode gostar

Cineamazônia prorroga inscrições para Mostra Competitiva

Diretores e produtores terão mais uma chance para participar da seleção para a Mostra Competitiva do Cineamazônia. As inscrições para a 15ª edição do festival foram prorrogadas para o dia

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE – ROMPENDO FRONTEIRAS

Diversos países e comunidades recebem a Itinerância do Festival Ambiental Por Sérgio Carvalho Foto de Eder Medeiros   Portugal, África, Vale do Guaporé, Amazonas, Acre, Bolívia e Peru. Floresta, mar,

SURPRESA RECEBE O FESTCINEAMAZONIA

Thiago dos Santos Flores abandonou por alguns momentos o barco Dourado, onde mora com a família. Aos nove anos o que o menino queria era entender o funcionamento da filmadora