ZELITO VIANA

ZELITO VIANA

Nasceu em Fortaleza, Ceará, produtor e diretor de cinema há
três décadas. E 1965, fundou com Glauber Rocha a Mapa
Filmes, empresa que realizou, entre outros, Terra em
Transe (1966), O Dragão da Maldade Contra o Santo
Guerreiro (1968) e Cabeças Cortadas (1970). Em 1999 dirigiu
ambicioso projeto, Villa Lobos, Uma Vida de Paixão.
Foi levado para o cinema por Leon Hirszman, com quem se formou,
em 1964, pela Escola Nacional de Engenharia. Entre suas produções
destacam-se Menino de Engenho (1965), dirigido por Walter
Lima Jr.; Terra em Transe (1966), O Dragão da Maldade Contra o
Santo Guerreiro (1968) e a co-produção estrangeira Cabeças
Cortadas (1970), todos dirigidos por Glauber Rocha; Quando o
Carnaval Chegar (1972), de Carlos Diegues; e o documentário
Cabra Marcado Para Morrer (1984), de Eduardo Coutinho.
Com Armando Costa produziu e co-dirigiu Minha Namorada (1970).
Tendo como protagonista seu irmão Chico Anysio, dirigiu o primeiro
episódio da comédia O doce esporte do sexo (1971). Foi produtor e
diretor dos filmes: Os Condenados (1973), Morte e Vida Severina
(1976), Terra dos índios (1978) e Avaeté, Semente de Vingança
(1985), medalha de prata do Festival de Cinema de Moscou.
Finalizou recentemente JK, bela noite para voar, um filme de ficção
sobre a vida e a obra do presidente Juscelino Kubitschek. Trabalha
ainda em Bisa Bia, Bisa Bel, baseado no livro homônimo de Ana
Maria Machado, em fase de captação. Realizou os documentários
de curta-metragem Arte para todos (2004), e Ferreira Gullar A
necessidade da arte (2005), co-dirigido com Vera de Paula, Aruanã
Cavalleiro e Cláudia Duarte.

Em exibição no CINEAMAZÓNIA: Avaeté Semente da Vingança
(1985), Terra dos Índios (1979) e Villa Lobos Uma Vida de Paixão
(2000)

Você também pode gostar

RUY GUERRA

Nasceu em Lourenço Marques, hoje Maputo, Moçambique, então colônia portuguesa, em 1931. Adolescente, já publicava críticas de cinema, contos e crônicas e já fazia filmes em 8 mm. Ativista político,

ANTONIO POMPÊO

Nascido em São José do Rio Pardo, São Paulo, em 1953. Estreou no cinema em Xica da Silva (1976), de Carlos Diegues. Entre o fim dos anos 70 e começo

ROBERTO WERNECK

É biólogo e cineasta. Desde 1977 se dedica a produções independentes para televisão na área ambiental. Foi professor de biologia e produtor de imagens ao microscópio e submarinas. Junto com

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!