JACY PARANÁ

JACY PARANÁ

Dia 1
Quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Antes, era a “rua do Amor”. Às margens da BR 364, o terreno de onde foram desalojados bares que agitavam a noite em Jacy Paraná serviu para receber a tenda itinerante do FestCineAmazônia. E a população veio conferir a nova atração.

“Eu nunca fui num cinema”, comenta um motorista de carreta, pouco distante, curtindo a telona. “Aqui tem muita gente que nunca viu imagem maior do que uma TV de 42 polegadas”, ele diz.

As crianças chegam discretas. Sentam-se mais aos fundos da tenda, perto dos pais. Até que o palhaço Sorriso entra em cena. Daí correm todas para a primeira fileira. Melhor do que cinema, só mesmo show ao vivo. Alegria que ficou ainda mais animada quando Sorriso começou a fazer bichinhos com balão e distribuir para os pequenos.

Nilton Barbosa, o administrador do distrito de Jacy Paraná, veio também assistir aos filmes. Morador do local há 26 anos, hoje procura tentar melhorar a vida da comunidade com o apoio prometido pelos investimentos nas hidrelétricas. Mas não tem sido fácil.

Como está localizado entre as usinas de Santo Antônio e Jirau, o distrito tem dificuldades jurídicas para determinar quem deve ser responsável pelos impactos das obras. Oficialmente, em razão da localização no rio Madeira a montante de Santo Antônio, é esta a obra responsável. “Mas estamos geograficamente mais próximos de Jirau, e os trabalhadores e o impacto da migração chega aqui por Jirau”, ele diz. Uma decepção recente é por uma quadra de futebol que havia sido prometida e que serviria para um projeto de treinamento e educação física para cerca de 100 crianças. “Prometeram, e não deram nada”, diz Barbosa.

Um dos filmes exibidos, o curta Ilha do Jacó, mostra os impactos das hidrelétricas sobre uma comunidade ribeirinha. Na plateia, todos assistiram com atenção, sem barulhos ou conversas – e mesmo os bares remanescentes na área abaixaram o volume. Pensar nas hidrelétricas, vendo um filme, era uma experiência até então inédita para as pessoas de Jacy, onde as águas do Madeira já estão subindo.

Você também pode gostar

DIÁRIO DE BORDO – SANTA CRUZ DE LA SIE...

O produtor Rogério Danin seguiu de avião para Santa Cruz de La Sierra, uma semana antes do evento. Lá reencontra familiares que facilitam sua produção, agendando entrevistas em canais de

Dia 9 – Calmaria em Fortaleza do Abunã

Uma dor irritante percorria desde a base da minha lombar até a ponta dos meus dedos da mão esquerda. É uma dor que eu conheço bem, proveniente de uma coluna

DIÁRIO DE BORDO – RIO PARDO

A chuva se anuncia com uma massa de um volume imenso de nuvens sobre as pequenas casas, a frágil estrada de terra e a mata enfraquecida. Despencou no final da

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!