AMAZÔNIA: A MAIS COMPLETA TRADUÇÃO.

A mais completa tradução da Amazônia é a sua recente produção cinematográfica.

A mais completa tradução da Amazônia é a sua recente produção cinematográfica. é a mais completa porque é a mais recente.  Beneficiou-se de uma rica e diversificada história cultural e social acumulada e deve sua expansão atual aos avanços tecnológicos que permitiram a popularização das câmeras digitais. O fazer cinematográfico não é recente na Amazônia. De Silvino Santos pra cá, muita coisa boa tem sido produzida pelos cineastas da floresta. O que está acontecendo agora é algo diferente. é um movimento. Uma tomada de atitude e de consciência que tem como ponto de partida e referência principal o Festival Latino Americano de Cinema e Vídeo Ambiental, realizado todos os anos, há dez anos, em Porto Velho, Rondônia, organizado por Jurandir Costa e Fernanda Kopanakis.

A grande revolução do Festcineamazônia, como é conhecido na intimidade, é que os seus organizadores não ficaram satisfeitos em oferecer para o público uma única e anual exibição dos filmes concorrentes. E dessa insatisfação, dessa inquietação, dessa vontade de mostrar a Amazônia para o mundo, nasceu o Festcineamazônia Itinerante: porque o cinema deve ir aonde o povo está. Na sala   climatizada ou no beiradão, na escola, no terreiro, na praça ou na prisão.

O itinerário inicial do Festcineamazônia foi pelas capitais e cidades da Amazônia brasileira. Atravessar as fronteiras foi um desdobramento natural e a exibição dos filmes, quase todos com temática ecológica e ambiental, passou a ser realizada também no Peru, Colômbia e Bolívia. Mas, cruzar fronteiras amazônicas pareceu pouco e o Jurandir e a Fernanda resolveram atravessar o mar: em 2010 eles mostraram os filmes em Portugal e Cabo Verde.

Conheci o casal de realizadores em Boa Vista, Roraima, na primeira fase, quando a turnê ainda era regional.  Gravei um depoimento para o documentário produzido sobre a experiência amazônica. Fiquei logo fã da iniciativa. Depois fui convidado para passar uma semana em Porto Velho, acompanhando a realização do Festival e fazendo pequenos recitais de poesia antes da exibição dos filmes.

Tive a oportunidade de constatar a seriedade desse trabalho de educação, lazer, transformação e reflexão que só cinema tem o poder de operar no corpo e na alma dos seres humanos de qualquer idade.

Em março de 2012 recebi um novo convite. Acompanhar o Festcineamazônia Itinerante nas cidades de Coimbra, Portugal e nas cidades de Praia e Mindelo, no Cabo Verde.  Além de apresentar pequenos recitais de música e poesia antes dos filmes, me foi dada a incumbência de protagonizar e dirigir o documentário sobre a viagem. Prazer em dose dupla. Responsabilidade ao quadrado. Para nos auxiliar nessa empreitada audaciosa, dois fotógrafos profissionais foram convidados: Ricardo de Almeida, português, que nos acompanhou nas filmagens em Lisboa e Coimbra e o brasileiro Pisco del Gaiso, para as filmagens em Cabo Verde.

Em Coimbra nosso evento aconteceu no Teatro da Cerca de São Bernardo, construído pelo governo municipal e administrado pelo grupo de teatro A Escola da Noite. Uma surpresa na platéia: jovens de Roraima que estudam na Universidade de Coimbra.

Um convidado especial: João Paulo Macedo, diretor do Festival de Curtas Metragens de évora. Uma alegria no jantar: Victor Branco, cidadão português, esposo da cozinheira, que com sua voz potente nos mostrou a diferença entre o fado de Coimbra e o de Lisboa. Nosso anfitrião: Giovanni Alegretti, cidadão italiano, professor da Universidade de Coimbra.

Em Cabo Verde a mostra de cinema amazônico ocorreu em dois lugares: no cinema da cidade de Praia, capital do país-arquipélago e na Escola Internacional de Arte da cidade de Mindelo, terra de Cesária Evora. A produção local foi de responsabilidade da caboverdiana Samira Pereira. Incluímos na programação filmes de cineastas locais, visitamos o Centro Cultural Brasil Cabo Verde, que realiza uma ação cultural digna de aplausos e colhemos, para o nosso documentário, um depoimento do embaixador do Brasil, João Inácio Padilha. Uma companhia agradável e musical: o cantor e compositor Princezito, caboverdiano da cidade de Tarrafal, na ilha de Santiago. Um momento mágico: a filmagem que Princezito e eu fizemos com as Batukadeiras de Tarrafal, grupo de moças que cantam músicas tradicionais africanas.

O Festcineamazônia – Festival Latino Americano de Cinema e Vídeo Ambiental, tem o patrocínio do BNDES e da Secretaria do Audiovisual, do Ministério da Cultura, Governo Federal. Entre os apoiadores, TAL – Television America Latina, Rádio 95 Fm, Governo de Rondônia, o Jornal Folha de Rondônia. Seu diretor comercial, Marcus José do Amaral, acompanhou nossa equipe em Portugal.  Para conhecer melhor o Festcineamazônia e acompanhar de perto é só acessar www.cineamazonia.com.

Em novembro vindouro o Festival chega a sua 10ª edição. Já estou convidado para dividir o palco, num show de música e poesia, com o Princezito. Vai ser uma festa, um festival de imagens, cores e sons. Vamos exibir o filme feito durante a viagem e começar uma nova viagem.  é o cinema brasileiro feito na Amazônia. Da Amazônia para o mundo. A nossa mais completa tradução.

Eliakin Rufino.

Poeta

Previous ACRE RECEBE FESTCINEAMAZONIA ITINERANTE 2012
Next FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE LEVA CINEMA AO VALE DO GUAPORÉ

Você também pode gostar

BELÉM RECEBE HOJE FEST CINEAMAZÔNIA ITINERANTE

A capital paraense, Belém, recebe nesta segunda-feira (15/03), a mostra itinerante do Festival de Cinema e Vídeo Ambiental da Amazônia – Fest Cineamazônia 2010. A primeira exibição ocorreu as 9h30,

CRISTINA LAGO SERÁ A MESTRE DE CERIMÔNIAS DO FESTCINEAMAZÔNIA 2013.

Na décima edição do Festcineamazônia, a atriz Cristina Lago emocionou ao público presente na noite de encerramento e entrega de prêmios ao ver o filme protagonizado por ela, ‘O casamento

FESTIVAL DE ARTES INTEGRADAS- FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE LEVA A COBIJA- BOLÍVIA DUAS NOITES DE ATRAÇÕES.

A última parada nesta etapa do Festival de Artes Integradas- Festcineamazonia Itinerante foi  em Cobija-Bolívia. Cidade boliviana que faz fronteira com o Brasil recebeu a caravana do Festival durante dois dias,