FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE LEVA CINEMA AO VALE DO GUAPORÉ

Comunidades isolados no Rio Guaporé recebem cinema e circo pela primeira vez

A equipe de pré-produção do Festcineamazônia Itinerante 2012 já está no Vale do Guaporé fazendo a divulgação da etapa que será realizada nos meses de junho e julho, percorrendo localidades na fronteira Brasil/Bolívia. As exibições são gratuitas e tem como objetivos integrar as comunidades através do cinema e vídeo, levando em discussão a temática ambiental.

Nesta etapa, o festival levará cinema e circo para brasileiros e bolivianos que vivem nas margens dos rios Guaporé e Mamoré. A região, marcada pelo isolamento, é um paraíso ecológico que precisa ser preservado, e pode ser desenvolvido com alternativas sustentáveis.

As exibições iniciam por Guajará-Mirim (Brasil), no dia 22 de junho, na Praça dos pioneiros. Depois segue a programação: Guayaramerin (23 junho), Surpresa (25 junho), Forte Príncipe da Beira (27 junho), Buena Vista (28 junho), Quilômbo de Santo Antônio do Guaporé (30 junho), Versalles (1 julho), Pedras Negras (2 julho), Mategua (3 julho), Porto Rolim (4 julho) e Pimenteiras (6 julho). Todas as exibições serão as 19 horas.

O Festcineamazônia 2012 tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal através da Lei Rouanet, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Governo de Rondônia, Secel, TAL – Television America Latina, Governo Autônomo Municipal de Guayaramerim/Bolívia e Prefeitura Municipal de Guajará Mirim/Brasil.

Você também pode gostar

Cineamazônia abre Inscrições para a décim...

Estão abertas as inscrições para a pré-seleção de filmes da Mostra Competitiva do Cineamazônia – Festival Latino Americano de Cinema Ambiental, em sua décima quinta edição, que será realizado no

Cineamazônia participa do 1º Fórum Interna...

O Cineamazônia – Festival de Cinema Ambiental, realizado todos os anos em Porto Velho/RO, é um dos três festivais de cinema ambiental brasileiros e um dos 40 do mundo, que

Cineamazônia inicia itinerância tendo o rio...

Esse rio é minha rua, piso no peito da lua, deito no chão da maré. Os versos de Paulo André e Rui Barata, compositores paraenses, traduzem com perfeição os caminhos

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!