Distrito de Abunã recebe o Cineamazônia itinerante

Distrito de Abunã recebe o Cineamazônia itinerante

O distrito de Abunã foi o oitavo destino do Cineamazônia itinerante 2016 nesta sexta-feira (20). Uma parada obrigatória para o festival que visita a localidade desde o começo da itinerância. Como em todas as vezes que a caravana do Cineamazônia visitou o local, a comunidade recebeu de braços abertos a equipe do festival.

Não é a toa que o distrito sempre está no roteiro do festival. Abunã já foi uma das principais cidades de Rondônia na década de 1970. A sessão seria no simbólico galpão da estrada de ferro Madeira-Mamoré, mas problemas técnicos impediram a realização no local e a alternativas foi a quadra da Escola Municipal Marechal Rondon.

_84U6617

Liliana Rosa, 21 anos, sempre acompanhou o Cineamazônia Itinerante, mas desta vez, ela contou com uma companhia mais que especial, o filho Antônio, de 1 ano e 8 meses. “Eu sempre gostei de vir, porque é uma programação divertida, agora é a primeira vez que eu trago o meu filho e ele também esta gostando muito”, comemora.

Já Ivone Souza de Jesus, 52 anos, também elogiou a programação do festival. “Eu gosto muito de vir aqui, porque não temos nada parecido por aqui”, disse Ivone.

Cineamazônia Itinerante 2016 tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Lei Rouanet.  Apoio Cultural da Prefeitura de Porto Velho, através da SEMA e FUNCULTURAL.

Você também pode gostar

União Bandeirantes recebe a itinerância do ...

Ontem, o Cineamazônia Itinerante 2016 novamente cumpriu com a missão de levar a arte e o cinema para os dois distritos de Porto Velho, cujas comunidades que estão muito longe

Tom político e social marca abertura do Cine...

Festival rondoniense lembra aumento da violência agrária no estado em homenagem a liderança comunitária assassinada por pistoleiros A noite de abertura da edição 2016 do Cineamazônia manteve a tradição do

EXPEDIÇÃO FESTCINEAMAZÔNIA LEVA MÚSICA, P...

“Estou esperando o calor tropical que ainda não veio”. Em tom de brincadeira o escritor português José Luís Peixoto reclamava da baixa temperatura de frios cortantes na cidade boliviana de

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!