Abertura do Cineamazônia é nesta terça-feira (17) no SESC Esplanada

Um dos festivais de cinema mais importantes do país, o Festival Latino Americano de Cinema Ambiental – Cineamazônia, que chegou a sua 15ª edição, terá sua abertura oficial nesta terça-feira (17), a partir das 19:30, no audicine do SESC Esplanada. A condução ficará a cargo da atriz, cantora e mestre de cerimônias do Cineamazônia, Simone Mazzer.

Uma das marcas do Festival Cineamazônia sempre foi a presença de grandes nomes do teatro e do cinema como Mestres de Cerimônia. Artistas do quilate de Cacá Carvalho, Marcos Winter, Gero Camilo já comandaram a festa em edições anteriores e na 15ª edição do Cineamazônia não poderia ser diferente. Este ano a atriz e cantora Simone Mazzer foi a escolhida para animar a festa e apresentar as noites do festival.

Filmes

A curadoria do Festival recebeu a inscrição de filmes dos 24 estados do país e do Distrito Federal e de 17 países diferentes.

Ao todo foram recebidos 452 filmes, entre curtas, médias e longa metragens. Além das produções nacionais, o Cineamazônia recebeu candidatos de Colômbia, Espanha, Peru, Chile, Argentina, México, Moçambique, Índia, Itália, Birmânia, Bósnia/Herzegovina, Portugal, E.U.A., Irã, França, Singapura e Alemanha.

Estreia

“Dedo na ferida”, de Silvio Tendler, foi o documentário escolhido para a abertura do Cineamazônia com entrada grátis. O título, aliás, não poderia ser uma provocação melhor para o atual contexto que o país vive. O documentário trata do fim do estado de bem-estar social e da interrupção dos sonhos de uma vida melhor para todos em um cenário onde a lógica do capital financeiro inviabiliza qualquer alternativa de justiça social.

Neste cenário de tensões sociais, intelectuais lutam para transformar o mundo levantando temas como o fim dos direitos sociais, o desemprego, o mercado e o ressurgimento de movimentos extremistas. Cada semelhança, claro, não é mera coincidência.

Programação

O filme é apenas primeira de uma série de atrações gratuitas da 15ª edição do Festival Cineamazônia. Na quarta-feira começam as mostras competitivas de curtas médias e longas metragens, sempre no Sesc Esplanada, com programação que iniciam às 14 horas e vão até a noite. Já nas manhãs de quarta-feira (18) e quinta-feira (19), o Sesc Esplanada recebe alunos de escolas públicas de Porto Velho para a programação especial da atividade “Cinema vai ao cinema”.

Também na quinta-feira (19), às 19h30, será realizado a atividade Cinema e Música, na Escola de Música Jorge Andrade, com exibição do filme convidado “Na Batucada da Vida”, sobre a vida e obra de Chico Batera, que contará com a presença do próprio músico. Após a exibição será a vez do grupo musical Trio do Norte fazer uma apresentação.

Na sexta-feira (20), das 8h às 11h30, é a vez do debate “É de poesia que o mundo precisa”, com os escritores José Inácio Vieira de Melo, Ronaldo Correia de Brito e Rubens Vaz Cavalcante, e mediação de Marcos Aurélio Marques. No mesmo dia, mas na parte da noite a partir das 19h30, ocorrerá a homenagem à antropóloga Betty Mindlin.

No sábado, a partir das 19h, ocorre o encerramento do Festival, que contará com a exibição do filme “Dana Merril – Um fotógrafo no inferno verde” e homenagem ao cineasta Beto Bertagna, além, é claro, da premiação com o Troféu Mapinguari para os melhores filmes da mostra competitiva deste ano. O show do músico Chico Batera fecha a 15ª edição do Festival Cineamazônia.

A 15ª edição do Cineamazônia tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual e da Lei Rouanet. Ainda tem o apoio cultural da Sejucel, Funcultural, Fecomércio e SESC Rondônia. O Cineamazônia é associado ao Fórum dos Festivais e membro do Green Film Network.

Texto: Lui Machado e Felipe Corona.

Você também pode gostar

De volta à estrada!

Passaram-se aproximadamente dois meses desde a primeira vez que entrei na van com o Cineamazônia. Havia ficado uma sensação de dever cumprida e ao mesmo tempo de “quero mais” na

“Dedo na ferida”, de Sílvio Tendler, abr...

Na vasta filmografia de Sílvio Tendler nunca houve espaço para a neutralidade. Conhecido como o “cineasta dos sonhos interrompidos”, Tendler tem o raro dom de tratar com sensibilidade assuntos sérios

Oficina de pinhole consagra primórdios da fo...

Texto: Ismael Machado e Michelle Maia Fotos: Zeca Ribeiro Edição: Lui Machado O terceiro dia de programação do Cineamazônia Itinerante 2016 mostrou, de forma simples, mas efetiva, a importância do

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!