PEDRAS NEGRAS FOI A SEGUNDA COMUNIDADE QUILOMBOLA VISITADA PELA ITINERÂNCIA DO FESTCINEAMAZONIA 2013 NO VALE DO GUAPORÉ

PEDRAS NEGRAS FOI A SEGUNDA COMUNIDADE QUILOMBOLA VISITADA PELA ITINERÂNCIA DO FESTCINEAMAZONIA 2013 NO VALE DO GUAPORÉ

O assassinato do líder quilombola paraense Teodoro Lalor de Lima em Belém, no Pará, foi lembrado pela organização do Festival de Artes Integradas-Festcineamazonia Itinerante. Na abertura da noite de apresentação do festival na comunidade quilombola de Pedras Negras em Rondônia, a organizadora do Festcineamazonia Fernanda Kopanakis lembrou a violência que ainda ameaça lideranças de comunidades tradicionais na luta pela posse da terra e pediu um minuto de silêncio por Teodoro Lima.

A liderança quilombola foi assassinada na capital paraense na segunda-feira, 19 de agosto. Teodoro Lalor de Lima iria participar, em Belém, de um encontro estadual de comunidades quilombolas. Presidente da Associação dos Remanescentes Quilombolas de Gurupá, em Cachoeira do Arari, Marajó, Teodoro denunciava a ação de fazendeiros locais na tentativa de expropriação das terras dos remanescentes de quilombos em Cachoeira do Arari e vinha sofrendo ameaças por conta disso.

“É significativo que façamos essa referência em uma localidade como Pedras Negras, também uma comunidade de remanescentes quilombolas”, disse Fernanda Kopanakis.

Pedras Negras é uma comunidade pequena, às margens do rio Guaporé. Construída praticamente em cima de um morro abriga 31 famílias e 170 moradores, em seus quase cem anos de existência. Dos moradores, 25 são crianças.

Antes de virar comunidade quilombola, Pedras Negras abrigava um porto. Aos poucos começou a receber escravos que fugiam de Vila Bela da Santíssima Trindade, em Mato Grosso. Foram eles que deram início ao que hoje é Pedras Negras.

Essencialmente católica, a comunidade tem uma imponente igreja em cima do morro, de frente ao rio. Duas festividades fazem parte do calendário católico de Pedras Negras. A do Divino Espírito Santo e Nossa Senhora da Conceição.

Atualmente o local é ponto de reunião de turistas que buscam a pescaria. Três pousadas movimentam parte da economia de Pedras Negras. A outra fonte de renda é a extração da castanha, que produz 600 toneladas por ano, mas que por ser vendida a atravessadores, rende menos do que poderia à comunidade. “É uma coisa que ainda estamos buscando solução”, diz o líder comunitário de Pedras Negras Francisco Edvaldo, 41 anos.

Um dos grandes orgulhos de Pedras Negras é o time de futebol local, recentemente campeão em um torneio envolvendo comunidades próximas. Essas façanhas são contadas e lembradas embaixo de uma frondosa mangueira cercada por bancos de madeira no centro da localidade.

Parte desses atletas prestigiou a noite de apresentação do Festcineamazonia Itinerante. Sob a lua cheia os artistas do festival se apresentaram a um público mais heterogêneo que o de comunidades anteriores. Isso porque além dos moradores de Pedras Negras, a plateia contou com a presença de alguns hóspedes das pousadas.

O Festival de Artes Integradas – Festcineamazônia Itinerante 2013 tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal através da Lei Rouanet, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, apoio cultural da Santo Antônio Energia e Parceria Institucional da Fundação Banco do Brasil.

Por Ismael Machado

Previous INTEGRAÇÃO DO FESTICINEAMAZONIA CHEGA DESTA VEZ A VERSALLES BOLÍVIA.
Next O FESTIVAL DE ARTES INTEGRADAS- FESTCINEAMAZONIA ITINERANTE LEVA À HUMAITÁ O ESPETÁCULO"DINDO E TONTON DOIS PALHAÇOS FUJÕES"

Você também pode gostar

CINEMA BANDEIRANTE

os primeiros anos, não havia luz elétrica e as apresentações da itinerância do Festcineamazonia em União Bandeirantes deveriam ser feitas da mesma forma como ocorreu nessa semana na comunidade do

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE INICIA SUAS APRESENTAÇÕES NO VALE DO GUAPORÉ

Bolívia e Brasil integrados através do Cinema, Circo e Música Por Sérgio Carvalho Foto de Marcelo Câmera   Com a missão de levar o cinema e outras expressões artísticas, como

VISTA ALEGRE EMOCIONA-SE COM O FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE

Distrito faz parte da região conhecida como ponta do Abunã, fronteira com Bolívia, Amazonas e Acre. Por Sérgio Carvalho com Fotos de Talita Oliveira   “Há mais de cinquenta anos