Cineamazônia Itinerante faz exibição de filmes às escuras em Rio Pardo

Após percorrer 105 quilômetros que separam Jacy-Paraná de Rio Pardo, a caravana do Cineamazônia Itinerante chegou no início da tarde do domingo (13), ao distrito de Rio Pardo, que pertence a Porto Velho, mas está mais próximo de Buritis, que fica a somente 80 quilômetros de distância do local. O trecho feito em estrada de terra foi vencido em pouco mais de três horas.

O palhaço Cloro ainda foi até a comunidade católica Cristo Rei, que tinha feito um almoço especial do Dia dos Pais e realizava um bingo entre seus frequentadores para comemorar a data importante. O artista convocou a todos para comparecerem a atividade do Cineamazônia na cidade.

No meio da tarde, uma surpresa: um apagão deixou a cidade de cerca de 3 mil habitantes sem energia elétrica, faltando poucas horas para a atividade do Cineamazônia Itinerante começar na principal avenida do lugar.

Mesmo assim, no horário marcado, às 19:30 horas, foi feita a exibição do depoimento de Salvador da Cruz Filho, morador de Rio Pardo há 13 anos e personagem do projeto Museus Vivos, realizado no ano passado. Isso só foi possível porquê a caravana do Cineamazônia Itinerante conta com um gerador  para esse tipo de emergência. Com isso, foi possível ter energia para os refletores, projetor, notebook, microfones e demais equipamentos utilizados nas projeções.

Realidade cruel

Conversando com alguns moradores, soubemos que a energia elétrica chegou há pouco tempo em Rio Pardo, mas já começa a doer no bolso. “Tem três meses que começaram a cobrar as contas de energia. Querem que a gente pague a taxa de iluminação pública, mas não tem uma lâmpada nos postes. Mas, o preço é salgado. Mês passado paguei mais de 10 reais só nisso. A gente reclama, reclama, e é esse é o serviço que prestam. Aqui do lado, o dono da sorveteria já está tendo maior prejuízo com essa falta de energia elétrica há horas”, afirmou o radialista e dono de um pequeno restaurante que serve espetinhos, Abraão Sousa.

A caravana do Cineamazônia saiu de Rio Pardo por volta das 08:30 da manhã desta segunda-feira (14) e até aquele momento, a energia elétrica ainda não tinha sido restabelecida.

Alegria

Esta é a quarta vez que o Cineamazônia Itinerante vai até o distrito de Rio Pardo, mas não é a única atividade que o projeto realiza na cidade. Ainda há o Animando Amazônia e o Museus Vivos, realizado no ano passado com um dos pioneiros da cidade, Salvador da Cruz Filho.

Apesar das dificuldades, todos gostaram dos filmes exibidos e da apresentação do palhaço Cloro. “Eu fiquei muito empolgada com mais uma presença do Cineamazônia na nossa cidade. Pelo o que sei, é a quarta vez que vocês vêm aqui e sempre compareço. Trouxe minha filha, de oito anos e um priminho dela. Eu nunca tive essa oportunidade de me divertir com cinema ou palhaço quando criança. Então, a gente aproveita muito essa chance. Também achei importante todos conhecerem a história do seu Salvador, que desde que moro aqui em Rio Pardo, sempre lutou por melhorias e busca sempre mais infraestrutura para nossa cidade”, afirmou a professora Rosenira Soares.

Texto: Felipe Corona

Fotos: Beethoven Delano

Previous União Bandeirantes e Vila Jirau vibram com etapa do Cineamazônia Itinerante
Next Cineamazônia Itinerante fecha a primeira etapa em Jacy-Paraná

Você também pode gostar

FEST CINEAMAZÔNIA 2010 COMEÇA COM ITINERÂNCIA

O Festival tem o patrocínio da Petrobras, Ministério da Cultura através da Lei Rouanet, Eletrobras e Correios, conta com o apoio cultural da Santo Antonio Energia, Prefeitura de Porto Velho,

REGULAMENTO CINEAMAZÔNIA – 2018

1.- DATA E LOCAL  Art. 1º – A Décima Sexta Edição do CINEAMAZÔNIA – Festival de Cinema Ambiental, será realizada na Amazônia brasileira, no período de 1º a 31 de Agosto

Cineamazonia Itinerante – 16ª Edição exibe filmes na Bolívia

  Como parte do projeto da mostra de filmes da 16ª Edição do Cineamazônia Itinerante, serão exibidos em quatro cidades da Bolívia, as margens do Rio Guaporé, com a seguinte