FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE CHEGA EM SANTO ANTÔNIO

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE CHEGA EM SANTO ANTÔNIO

Abandono e solidão na visita à comunidade quilombola do Vale do Guaporé

Por Sérgio Carvalho Foto de Eder Medeiros

 

 

O Festcineamazônia Itinerante chegou na comunidade quilombola de Santo Antônio no dia seguinte à apresentação em Costa Marques, em16 de agosto, um pouco depois do almoço. Nas margens brasileiras do rio Guaporé, casinhas muito simples, que lembravam o Vale do Jequitinhonha ou o sertão nordestino de décadas passadas. Talvez, pela mesma sensação que ambos lugares provocam: abandono e solidão.

O comandante Lúcio Torres, responsável pelo batelão Pato Selvagem, que leva a equipe do Festival pelo rio Guaporé, lembrou do apogeu da comunidade: “Sinto um aperto no coração quando vejo este lugar assim. Aqui deixávamos nosso barco para reparos, viviam quase 700 pessoas. Uma irresponsabilidade deixar esta comunidade acabar. É a resistência cultural do Guaporé. Uma festa!”

Piuns, milhares deles. Pela primeira vez, os mosquitos tiravam a tranquilidade da viagem. O sol também ardia. Desta vez, o que não existiu foram os olhares curiosos que costumavam aguardar a equipe.

Morava gente ali?

Todo quilombo e toda aldeia merecem o mais profundo respeito e admiração. Pois é resistência. Por mais influência que tenham de nossa cultura, tanto pelo positivo quanto pelo negativo, cada povo que ainda vive de maneira comunitária, em respeito e sintonia com o seu ambiente, que guarda resquícios de suas histórias e saberes, são povos rebeldes frente a um mundo que se torna cada vez mais doente e individualista.

A comunidade quilombola de Santo Antônio, como bem lembrou o comandante, mestre deste rio Guaporé, está, de fato, acabando. Localizada dentro de uma área de reserva ambiental e impedidos de caçar e de criar animais domésticos, mesmo para subsistência, distantes do poder público, sem assistência e oferta outra que possibilite a permanência no lugar, os quilombolas migram para as periferias da cidade. Processo cruel e semelhante ao que ocorreu com os seringueiros acreanos, expulsos pelos fazendeiros de suas terras.

Sem preparo para a vida urbana, qual será o fim destes, que como também definiu o nosso comandante Sr. Lúcio, eram a resistência cultural do Vale do Guaporé?

A estrutura do Festcineamazônia montada arrepiou. Do alto do barranco, o cinema. Quinze, no máximo vinte pessoas sentadas. Não devia haver muitos outros moradores. Velhos e crianças. Foi um desafio para todos equipe. Buscar a empatia, a comunicação.

O  vídeo de Christyan Ritse – que em cada localidade, tendo uma criança como protagonista e porta voz, produz um curta sobre o local, exibido antes das demais projeções – mostrou uma criança negra, com firmeza impressionante na voz e sem timidez frente ao Ipad, contando um pouco do cotidiano do lugar. Histórias de onças e jacarés comedores de cachorros, com naturalidade, mostra sua habilidade em segurar um facão e descascar cana, enquanto fala sobre os seus afazeres, a mesa de ping pong improvisada com tábuas em baixo de uma frondosa mangueira, na qual, as crianças passeiam de bicicleta em um longo e poético plano.

Ao ser questionado sobre a escola, o garoto demonstra uma madura reflexão sobre sua realidade. Na montagem do curta, a imagem da escola azul, abandonada, coberta de mato em um plano geral, que é cruzado pelo nosso eletricista Sr. João. A voz over do menino diz algo como: “A gente estudava na escola, mas disseram que iria cair na nossa cabeça. Precisamos sair dali. Hoje a gente estuda na varanda da casa da professora, de Ji Paraná.” Pelo visto, a escola continua ali, abandonada, como todo o resto. Condenada, sem alternativas, a improvisada escola, na casa da admirável professora parece ser um lampejo de possibilidade, de esperança. A metáfora do próprio lugar.

No material bruto do vídeo, um trecho da entrevista do garoto que não entrou no curta, de uma beleza fatalista e, porque não, espiritual. O jovem cineasta pergunta ao garoto que bicho ele gostaria de ser, esperando as respostas mais comuns, como onça ou jacaré, o menino surpreende e responde: “Gostaria de ser uma paca”.

“Uma paca? Por que uma paca?” – indaga Chrystian, buscando sentido para a inusitada resposta.

“Queria ser uma paca, porque as pessoas se alimentam dela. Paca dá de comer”.

Sem mais. A pergunta foi respondida. “Havia gente ali?”

Havia, e do melhor tipo.

O Festcineamazônia Itinerante tem o patrocínio do BNDES, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Lei Rouanet, apoio cultural da Fundação Saramago e Iphan. Parceiros de Mídia Rádio Parecis FM e Canal Brasil. O Festcineamazônia é membro do Green Film Network e Fórum dos Festivais.

Você também pode gostar

COMUNIDADE QUILOMBOLA DE SANTO ANTÔNIO TEM N...

Com 16 anos, Conceição sonha ser médica. Com 58 anos, Armando cultiva uma barba branca tão ‘preta’, como diria a música dos Secos e Molhados e apenas espera vender bem

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE ENCERRA COM ÊXI...

Equipe do Festival percorreu por água e terra mais 2.300 kms Por Sérgio Carvalho Foto de Eder Medeiros O Festcineamazônia Itinerante encerrou com êxito sua jornada pelo Vale do Guaporé,

Uma só linguagem em Guayaramerin: arte

As ruas movimentadas do comércio de Guayaramerin parecem ter ficado perdidas num tempo que faz falta aos moradores dessa pequena cidade boliviana. A alta do dólar tem afastado os principais

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!