MATEGUÁ-BOLÍVIA, A HARMONIA DAS ARTES COM O FESTCINEAMAZONIA

Numa pequena escola de madeira, 13 crianças ouvem as histórias contadas pelo escritor português José Luís Peixoto. Alguns metros adiante há dois barracões de madeira para a estocagem de castanha. Os dois barracões estão vazios e explicam os motivos de cerca de cem metros mais à frente, quatro jovens apenas deixarem passar o tempo à sombra de uma árvore. Quase nada há a se fazer no distrito boliviano de Mateguá quando finda o período de coleta da castanha, a única fonte de renda efetiva das 23 famílias que moram na localidade. Mateguá é um lugarejo dividido entre os que professam a fé numa religião cristã chamada por eles de ‘israelita’ e os que não seguem essa crença. Sob uma lua cheia alaranjada, a comunidade dividida se reuniu para assistir a programação do Festival de Artes Integradas Festcineamazonia Itinerante.

Mateguá é formada por choupanas de madeira cobertas de palha. As mulheres ‘israelitas’ usam véus nos cabelos e longos vestidos de cores sóbrias. Os homens que seguem a mesma religião não cortam os cabelos nem aparam as barbas. Entre os meses de janeiro e março, a castanha, farta, abastece a comunidade. Mateguá pensa em criar uma cooperativa. Seria uma forma de combater a prática do atravessador, algo ainda comum nos rincões amazônicos, sejam brasileiros, sejam bolivianos.

É o atravessador quem fornece gasolina, mantimentos, óleo, entre outros produtos para que os coletores possam ficar nos acampamentos montados nos castanhais. À época de vender o produto, geralmente 70 toneladas por colheita, o atravessador impõe o preço que deseja. Se geralmente o preço ideal deveria variar próximo de R$ 150,00 o atravessador paga R$ 90,00. É uma equação desigual. “Queremos criar uma associação que fortaleça a gente”, diz Apolinário Soarez, 65 anos, líder comunitário local.

De abril a dezembro, a comunidade sobrevive do que vendeu. Quase isolados, os moradores receberam o Festival de Artes Integradas-Festcineamazonia como algo a modificar a rotina diária. Crianças, jovens e velhos, atentos e participativos. Com o cantor Bado, imitaram pássaros na canção ‘Passarada’. Contemplativos, ouviram José Luís Peixoto recitar poemas sobre a passagem do tempo. E riram com Martinez, o palhaço argentino. E ‘Vida Maria’, o filme, fez com que a comunidade se identificasse com a história nordestina de meninas que precisam amadurecer muito mais rápido.

“Em Mateguá, senti uma harmonia especial, mesmo sendo um dos locais mais pobres e com menos estrutura por onde passamos. O que me impactou muito foi a determinação dos moradores de não querer uma estrada, pois acreditam que não vai trazer riquezas, mas vai trazer problemas, irão perder a tranquilidade. E elas foram muito atentas à toda a programação”, disse o escritor José Luís Peixoto.

O Festival de Artes Integradas – Festcineamazônia Itinerante 2013 tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal através da Lei Rouanet, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, apoio cultural da Santo Antônio Energia

Previous PEDRAS NEGRAS FOI A SEGUNDA COMUNIDADE QUILOMBOLA VISITADA PELA ITINERÂNCIA DO FESTCINEAMAZONIA 2013 NO VALE DO GUAPORÉ
Next FESTCINEAMAZONIA, UMA NOITE DE SURPRESA EM PORTO ROLIM.

Você também pode gostar

FESTCINEAMAZÔNIA APOIA CRIAÇÃO DO PARQUE DOS BEIRADEIROS EM PORTO VELHO

Vamos plantar um parque no rio Madeira. A mensagem repercutiu no Baixo rio Madeira na edição itinerante do Festival Latino Americano de Cinema e Vídeo Ambiental – Festcineamazõnia realizada nos

FESTCINEAMAZÔNIA REALIZA OFICINA PARA CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL.

Alunos da rede pública de ensino tem a oportunidade de trabalhar um contato mais direto com a produção artística. Durante o Festicineamazônia. Acontece a Oficina Frutos, ministrada pelo artista Geraldo

VERSALLES – BOLÍVIA RECEBE O FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE

A comunidade de nome afrancesado: Versalles, localizada nas margens bolivianas do rio Guaporé, recebeu a edição itinerante do Festcineamazônia no dia 17 de agosto. Casinhas de madeira cobertas com palha,