Exploração de latifundiários transforma vilarejo em campo de conflito aberto

Exploração de latifundiários transforma vilarejo em campo de conflito aberto

Não é fácil chegar a União Bandeirantes. A noroeste de Rondônia, a cerca de 80 quilômetros (km) do distrito de Jaci Paraná e a 160 km do centro da capital Porto Velho, a localidade possui poucas vias de acesso. As que existem são de terra, estreitas e esburacadas, fazendo com que o trajeto entre a BR-364 e a comunidade seja penoso e demorado. A longa estrada de chão tem como paisagem cercas, pastos e gados com o início do asfalto no chão anunciando o fim da zona rural e começo da zona urbana duas horas depois de sair da rodovia.

O isolamento de União Bandeirantes não é por acaso. Na verdade, o lugar que hoje abriga aproximadamente 25 mil habitantes e possui o status de distrito de Porto Velho, sequer deveria existir. Pelo menos não do ponto de vista ambiental. O distrito está localizado na subzona 2.1 do Zoneamento Socioeconômico e ecológico, de ocupação restrita, no entorno da Reserva Extrativista (Resex) Jaci-Paraná, Flona Bom Futuro e Terra Indígena Karipuna, em Porto Velho.

Hoje a existência do distrito é, ao mesmo tempo, fruto e retrato da inexistência de uma reforma agrária eficiente no país e da morosidade do Poder Público. Além disso, o bate cabeça entre políticas ambientais e fundiárias abre novamente uma discussão complexa sobre a necessidade de sobrevivência da terra e da preservação ambiental, fazendo deste lugar o ambiente perfeito para os conflitos de terra.

A avenida principal de União Bandeirantes possui asfalto, o que já é bem mais que a maior parte dos outros distritos de Porto Velho. As maiores opções de mercado também mostram um desenvolvimento maior do que o das comunidades vizinhas. As ruas ao redor, entretanto, mostram uma realidade diferente. Os enormes buracos fazem o transitar dos carros uma tarefa quase impossível.

Sentado na varanda simples da casa de madeira construída por ele mesmo, José Aparecido de Oliveira, 48 anos, – também conhecido como Cido – é uma espécie de museu vivo sobre a origem de União Bandeirantes. Ele era um dos líderes do movimento que planejou o início do assentamento. Com dificuldades de se acomodar na cadeira por conta de uma hérnia de disco que o tem mantido afastado das atividades do campo, ele conta como se deu o início do projeto de cidade.

O início da ocupação de União Bandeirantes é recente. Oficialmente, começou em 1999 a partir da ocupação de terras já desmatadas para a criação de um assentamento de grupos dissidentes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). As primeiras ocupações, contudo, vieram muito antes disso, com a chegada de grandes fazendeiros na região. Sem nenhum tipo de fiscalização, não se sabe como estes grupos e famílias ligadas à agropecuária conseguiram os documentos das terras, uma vez que o lugar era da União.

“A ideia surgiu de um movimento a parte do MST. Já havia uma grande área desmatada por aqui, feito para criação de gado. Foi então que surgiu a ideia de criar um assentamento, a partir da invasão dessas terras que não eram produtivas. As pessoas ficaram sabendo e foram migrando de outros lugares de Rondônia e outros estados para cá e criou-se o vilarejo”, diz Cido, que afirma ter tido a anuência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para a ocupação.

Segundo Cido, o início da ocupação foi menos traumático que a maioria dos casos que envolvem fazendeiros e assentamentos. A ideia de que aproximação do Poder Público poderia trazer como consequência a melhora da infraestrutura que permitisse o escoamento da produção era atraente para quem trabalhava com agropecuária na região. “O próprio Incra começou a intermediar a negociação entre os assentamentos e os fazendeiros da região, o que facilitou muito”, lembra.

O início pacífico não durou tanto tempo. Dois anos depois, os primeiros conflitos começaram a surgir. A chegada de outras famílias de vários locais do país e, principalmente, de especuladores com interesse na exploração predatória do meio ambiente tornou o convívio entre os assentamentos e fazendeiros instável.

Nesse novo fluxo migratório, cresceu a venda ilegal de terras e a ocupação de novos territórios que não estavam no acordo anterior. “Muitas dessas famílias que chegaram depois não respeitavam a demarcação das terras que havia sido definido. Havia muita violência, porque o Estado era nulo e não havia como ter controle dessas pessoas que estavam chegando”, afirma Cido.

Não demorou muito para que o mercado da extração ilegal de madeira se instalasse na região, aproveitando a ocupação já realizada e a falta de fiscalização. Segundo Cido, que já ocupou o cargo de administrador de União Bandeirante – espécie de líder comunitário escolhido entre os moradores para dialogar com representantes do poder público -, até 2004 o local chegou a abrigar mais de 20 empresas, entre grandes madeireiras, estufas, marcenarias e serrarias.

A degradação ambiental na reserva foi tão grande, que em 2003 foi aberta uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Conflitos Fundiários, com o objetivo de conhecer, apurar e relatar graves conflitos agrários e fundiários, furtos de madeira e desmatamentos sem precedentes na região.

Em 2004, o Ministério Público Federal chegou a ordenar a desocupação do território com a proibição de assentamentos, regularização fundiária e execução de serviços de infraestrutura pública na região. A decisão causou mais conflitos e o resultado foi a mobilização de movimentos do campo, comunidades, igrejas, políticos, Estado e, também, o Ministério Público da Infância e Juventude, em favor da população atingida pela medida judicial.

“Eu conversava com o pessoal do Ibama [Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis] e dizia que o governo deveria criar uma política para quem desmatou recuperar a área com árvores típicas da região, como o açaí. Deveria haver um incentivo para corrigir o erro que cometemos no passado. Muitos de nós não tínhamos informação nenhuma sobre como lidar com a terra. A única coisa que sabíamos é que precisávamos desmatar para poder sobreviver. Mas a política ambiental hoje não direciona para outras atividades. Ainda temos tempo de corrigir isso, dando palestras, fazendo prevenções e ajudando esse homem do campo”, acredita Cido.

Apesar da população ter crescido durante esses anos, a infraestrutura não acompanhou a demanda. “Hoje ainda temos muita deficiência na saúde e educação. Faltam professores e já ficamos 45 dias sem ter ambulância”, afirma.

O IBAMA tenta se adequar e resolver a situação. Mas é complicado. Segundo o superintendente do Ibama em Rondônia, Renê Luiz de Oliveira, o órgão tem realizado constantemente a operação Onda Verde. O objetivo é combater crimes ambientais na região, especialmente a extração irregular de madeira.

Ainda de acordo com Oliveira, a região onde está União Bandeirantes é a que mais possui números de embargos logrados pelo Ibama em toda a floresta amazônica. “Desde que a região começou a receber um grande volume populacional, no começo dos anos 2000, o Ibama tem feito esse trabalho de maneira ininterrupta”, afirma.

O trabalho do órgão tem resultado em sanções e ameaças. Nem sempre os afetados, madeireiras ilegais principalmente, aceitam mudanças ou o braço da lei. No dia 28 de maio, uma equipe da Operação Onda Verde, composta por três agentes ambientais do órgão e nove policiais ambientais do Batalhão de Polícia Ambiental de Rondônia sofreu uma emboscada por um grupo de 60 pessoas. A intenção do ataque era impedir a retirada de maquinário utilizado na exploração ilegal de madeiras em uma terra indígena.

Você também pode gostar

KANINDE DENUNCIA AO MPF INVASÃO NA TERRA IND...

  A invasão foi denunciada pelos indígenas e moradores da região que perceberam o aumento da movimentação em vários pontos na estrada que dá acesso a aldeia Alto Jamari dos

Em Rondônia, as ameaças de morte não costu...

Cerca de cinco quilômetros (km) antes de entrar no assentamento 10 de Maio, no município de Buritis (RO), uma placa avisa aos que se aproximam: “Quem estiver de moto, tire

Quem são os chineses de olho na Amazônia?

Empresa chinesa com rastro de violação de direitos humanos quer construir a usina de São Luiz do Tapajós, a maior polêmica ambiental desde Belo Monte A derrocada de empresas brasileiras

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!