Cineamazônia comemora diversidade de produções inscritas no festival

Uma das características marcantes do Cineamazônia sempre foi a diversidade das produções apresentadas ao público. Para alegria dos cinéfilos de Porto Velho, a mostra competitiva deste ano não será diferente. A curadoria do Festival recebeu a inscrição de filmes dos 24 estados do país e do Distrito Federal, e de 17 países diferentes.

Ao todo foram recebidos 452 filmes, entre curtas, médias e longa metragens. Além das produções nacionais, o Cineamazônia recebeu candidatos de Colômbia, Espanha, Peru, Chile, Argentina, México, Moçambique, Índia, Itália, Birmânia, Bósnia/Herzegovina, Portugal, E.U.A., Irã, França, Singapura e Alemanha.

Fernanda Kopanakis, uma das idealizadoras, organizadora e parte integrante da curadoria do Cineamazônia, comemorou a diversidade de produções. Segundo ela, a quantidade de filmes provenientes de tantos lugares diferentes não só engrandece o festival, como demonstra que o Brasil vive um efervescência da produção cinematográfica que, de acordo com Kopanakis, está ligado ao momento em que o país vive.

“São filmes que vão ao encontro das demandas sociais, políticas, intelectuais e que refletem um período o qual vivemos e que não está dissociada da arte. Mais que isso, é visível que nos últimos 15 anos as produções cinematográficas têm crescido e amadurecido com o próprio festival, principalmente em termos da temática do Festival, que é a da questão ambiental. Isso reflete mais que nunca uma preocupação real e atualíssima da sociedade”, afirma Kopanakis.

Ainda de acordo com a organizadora do Cineamazônia, é visível que a temática conceitual do Festival – a questão ambiental, tem crescido junto com o festival.

A 15ª edição do Cineamazônia tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual e da Lei Rouanet. Ainda tem o apoio cultural da Sejucel, Funcultural, Fecomércio e SESC Rondônia. O Cineamazônia é associado ao Fórum dos Festivais e membro do Green Film Network.

Texto: Lui Machado.

Você também pode gostar

Cineamazônia Itinerante termina atividades n...

Após sair de Porto Rolim, o barco Canuto do Cineamazônia Itinerante seguiu para 18 horas de viagem rumo a Cafetal, penúltima cidade boliviana a receber o projeto nesta etapa, na

Cineamazônia Itinerante passa pelo Quilombo ...

Depois de ir até o Quilombo de Santo Antônio e a vila boliviana de Versalles, o Cineamazônia Itinerante chegou a outro ponto importante do Rio Guaporé, na terça-feira (05): o

Surpresa e vitória para o Cineamazônia

Texto- Ismael Machado Fotos- Zeca Ribeiro Edição- Lui Machado Vitória Laís tem nove anos e dois sonhos. O de deixar os cabelos alourados crescerem como o de Rapunzel- sem alisar-

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!