O FILME CONVIDADO DAMOCRACY, SERÁ EXIBIDO NA NOITE DE ABERTURA DO FESTCINEAMAZÔNIA 2013

Damocracy, um filme que, pela primeira vez, relaciona dois grandes desastres humanitários e ambientais em andamento, perpetrados por governos de dois países: no Brasil, a hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, Pará, e na Turquia a hidrelétrica de Ilisu, no rio Tigre.

Dirigido pelo premiado documentarista canadense Todd Southgate, narrado pela atriz Letícia Sabatella e produzido pela organização turca Doga Denergi, com apoio das ONGs International Rivers e Amazon Watch e do Movimento Xingu Vivo para Sempre, o filme traça paralelos sobre os impactos dos dois projetos nas populações locais e o meio ambiente, colocando em cheque o discurso que aponta a hidreletrcidade como fonte de energia limpa.

Assim como Belo Monte, a história do barramento do rio Tigre na região de Ilisu data da década de 1980, quando o governo turco iniciou o projeto da hidrelétrica, com capacidade projetada de 1.200 megawatts. Desde então, da mesma forma que Belo Monte, a usina é foco de uma intensa batalha judicial em função dos seus enormes impactos, principalmente a inundação e destruição de um dos maiores tesouros arqueológicos do mundo: a vila de Hasankeyf.

Hasankeyf tem uma história de mais de 12 mil anos de ocupações por culturas diversas, constituindo um museu a céu aberto. Nos paredões rochosos que margeiam o Tigre, cavernas da era neolítica ainda preservam resquícios dos primórdios da civilização humana. Posteriormente, a região fez parte dos impérios Romano e Bizantino, tendo sido ocupada nos séculos seguintes pelos árabes, Artuqids, Ayubids, Mongóis e Otomanos.  Além do valor arqueológico inestimável e único de Hasankeyf, porém, a vila e seus arredores são o lar de mais de 35 mil pequenos agricultores e pastores, ameaçados de despejo.O documentário mostra imagens impressionantes e depoimentos comoventes da região e de seus moradores.

A semelhança entre o projeto turco e os planos do governo brasileiro para os rios da Amazônia é evidente. Assim como no Brasil, a Turquia planeja construir mais 1.500 hidrelétricas nos rios Tigre e Eufrates, e não só o país, mas Iraque, Irã e Siria sofrerão enormes impactos nos seus reservatórios de água doce. Belo Monte, apenas uma das mais de 60 hidrelétricas planejadas para a região, é uma prova viva dos enormes impactos sociais e ambientais destas mega-obras. ?O preço que o mundo está sendo impelido a pagar a governos, como o brasileiro e o turco, para proteger interesses políticos e corporativos, é insano. Damocracy conta uma história de resistência; não deveria se tornar um registro de uma perda que o mundo falhou em prevenir?, afirma Engin Yilmaz, diretora executiva da oganização Doga Dernegi, principal movimento de resistência contra a construção da usina de Ilisu.

Documentário.

Duração: 34:58

Produtor Executivo: Tolga Temuge

Direção: Todd Southgate

Local: Teatro Banzeiros Porto Velho dia 05 de Novembro as 19:00 hs.

O Festcineamazônia  – Festival Latino Americano de Cinema Ambiental  tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal através da Lei Rouanet, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, apoio cultural: Sistema Fecomércio – Sesc, Centro de Formação dos Profissionais de Eduacação do Município de Porto Velho,  SEMA – Secretaria Municipal de Meio Ambiente. /PROCEA (Pró-Reitoria de Cultura, Extensão e Assuntos Estudantil). O Festcineamazônia é membro do Green Film Network.

Previous JÚRI INTERNACIONAL INTEGRA COMISSÃO DO FESTCINEAMAZÔNIA 2013.
Next QUINTA FEIRA DIA 07 DE NOVEMBRO É DIA DE CINEMA E SAMBA

Você também pode gostar

COM VOCÊS, PALHAÇO TITETÊ – QUANDO A FILOSOFIA E A PALHAÇADA SE ENCONTRAM

Paletó preto – cheio de surpresas, desajeitado, minúscula cartola de lantejoulas cintilantes na cabeça. Voz estridente e gargalhada, ora cínica, debochada; ora ingênua. Maleta marrom, de outros tempos, surrada, como

NOITE DE ABERTURA DO FESTCINEAMAZÔNIA TERÁ SIMONE GUIMARÃES EM UM SHOW INESQUECÍVEL.

Voz suave e doce. No universo do cancioneiro do Brasil, as vozes femininas reinam. Algumas estão sob todas as merecidas luzes. Outras se mantêm ali, no cantinho, oferecendo-se feito fruta

Diário de Bordo – UNIÃO BANDEIRANTES

O nome faz referência aos desbravadores que deram início à colonização. União dos bandeirantes, como era chamada, servia para designar as famílias que se juntaram para ocupar a região, no