MARCELO MARÃO PRODUZ A ANIMAÇÃO DO PERSONAGEM MAPINGUARI 2013

MARCELO MARÃO PRODUZ A ANIMAÇÃO DO PERSONAGEM MAPINGUARI 2013

É difícil definir exatamente onde estão fincadas as raízes de influência de Marcelo Marão. Os traços imperfeitos, ‘sujos’, remetem um pouco a Henfil, por exemplo. Mas se a influência existe, ela há muito foi superada. Na mistura de estilos, Marão acabou por criar um universo um tanto peculiar. É isso que ele certamente irá oferecer na visão particular que dará ao personagem Mapinguari, o mascote do Festcineamazônia. Marão é o artista convidado da edição 2013 do festival. A missão é criar uma animação do personagem que simboliza o festival.

A idéia já se incorporou ao Festcineamazônia. Além de possibilitar diversas leituras do Mapinguari, a partir de olhares completamente diferentes entre si, evita a repetição do tema e do mascote. Com isso, de alunos que fizeram oficinas de animação ofertadas pelo Festcineamazonia  a cineastas como Lula Gonzaga, o Mapinguari se revigora e ressurge sempre de cara, espírito e ambientes novos.

Marão vem se juntar a essa equipe. Ao mesmo tempo ‘outsider’ e inserido no mercado ‘mainstream’, tem trabalhos para publicidade, cinema e televisão. São dele, por exemplo, as chamadas para a novela Cordel Encantado, da TV Globo, do programa Na Estrada, do Canal Brasil, além de vinhetas do programa TV Xuxa, entre outras produções.

Além dos próprios curtas autorais, Marão trabalha como animador em diversos filmes de outros diretores. No currículo estão pelo menos dez trabalhos em curtas e médias metragens de outros diretores.

Entre os trabalhos autorais, destacam-se ‘O anão que virou gigante’, ‘Eu queria ser um monstro’ e ‘Engole ou cospervilha’.

A animação será exibida todos os dias durante o Festcineamazônia, que acontence em Porto Velho- RO, de 5 a 9 de novembro.

O Festcineamazônia  – Festival Latino Americano de Cinema Ambiental  tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal através da Lei Rouanet, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, apoio cultural da SEMA, Teatro Banzeiros. O Festival  é membro do Green Film Network.

Você também pode gostar

CINEAMAZÔNIA ITINERANTE NA ESTRADA

“Vocês deviam vir mais vezes aqui. Não temos quase nada para dar aos nossos jovens. Deus abençoe vocês”. Ombros arqueados, passos vagarosos, sorriso de poucos dentes, Pencha Tamayo, 68 anos,

Uma só linguagem em Guayaramerin: arte

As ruas movimentadas do comércio de Guayaramerin parecem ter ficado perdidas num tempo que faz falta aos moradores dessa pequena cidade boliviana. A alta do dólar tem afastado os principais

EXPEDIÇÃO FESTCINEAMAZÔNIA LEVA MÚSICA, P...

“Estou esperando o calor tropical que ainda não veio”. Em tom de brincadeira o escritor português José Luís Peixoto reclamava da baixa temperatura de frios cortantes na cidade boliviana de

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!