ITINERÂNCIA DO FESTCINEAMAZÔNIA NO VALE DO GUAPORÉ CHEGA AO FORTE PRÍNCIPE DA BEIRA

De Costa Marques vieram em caravana estudantes, professores e população em geral

Às margens do Rio Guaporé, o Forte Príncipe da Beira é um marco do Brasil Colônia na fronteira com a Bolívia. Obra iniciada em 1776 contou com a mão de obra de indígenas e escravos africanos. Para quem passa pelas águas calmas do Rio Guaporé, o Forte de cor avermelhada, sobressai do alto do barranco. No século XIX o local serviu de presídio para presos políticos. A Fortaleza deve sua conservação à atuação dos militares do Pelotão Especial de Fronteira, que se autodenominam de “Sentinelas do Guaporé”. Para visitá-lo é necessário pedir autorização ao comando do quartel, sendo os visitantes acompanhados por soldados. No vilarejo desenvolvido no entorno do Forte, tem além do quartel militar, uma escola, a sede Associação Quilombola do Forte, filiada à Federação das Associações Comunitárias e Quilombolas do Vale do Guaporé, onde funciona uma pequena biblioteca chamada de “Arca das Letras”. A secretária da Associação, Laís Miriam dos Santos, falou da luta desenvolvida pelos quilombolas para obterem o reconhecimento, que veio somente em 2005. Para os moradores locais, o Rio Guaporé é a via que os liga ao mundo, pois seus únicos três telefones públicos, chamados “orelhões”, raramente funcionam.

O local escolhido para a apresentação do festival foi em frente ao portal da Fortaleza, na área plana do fosso que circunda a construção. A plateia composta de moradores locais e de  Costa Marques, sede do município e de outras pequenas povoações da região. Contando com as presenças do comandante do Pelotão Especial de Fronteira, Ten. Hermani Duarte da Costa, do secretário de cultura da cidade de Guayaramerim, Juan Carlos Crespo, que acompanha o festival pelo Vale do Guaporé, da secretária de educação de Costa Marques, Cilene Barreto, da presidente da Associação de Mulheres do Forte Príncipe da Beira, Valderez Dias e dos coordenadores do FESTCINEAMAZÔNIA, Fernanda Kopanakis e Jurandir Costa, é iniciada mais uma apresentação do FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE que continuará subindo o Rio Guaporé até a cidade de Pimenteiras.

Uma plateia de olhos brilhantes de curiosidade é tomada pela magia do cinema e do circo, começando com os filmes: O Mapinguari – direção de Marcos Magalhães; Tempo de Criança –         direção de Wagner Novais; Leonel Pé-De-Vento – direção de Jair Giacomini; Calango Lengo Morte e Vida Sem Ver Água – direção de Fernando Miller; Pajerama – direção de Leonardo Cadaval finalizando com Soldados da Borracha – direção de Cesar Garcia Lima.

Depois dos filmes o Palhaço XUXU assume o picadeiro e com suas brincadeiras contagia toda a plateia. XUXU que é um palhaço que só fala a verdade e sempre deixa suas mensagens em defesa da natureza e a harmonia entre os homens. É nesse clima que o FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE termina sua apresentação no Forte Príncipe da Beira, e, segue subindo o Rio Guaporé por mais outras sete cidades brasileiras e bolivianas.

O FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE 2012 tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal através da Lei Rouanet, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Governo de Rondônia, Secel, TAL – Television America Latina, Governo Autônomo Municipal de Guayaramerim/Bolívia e Prefeitura Municipal de Guajará Mirim/Brasil.

Você também pode gostar

Cineamazônia está nos preparativos finais p...

A coordenação do Cineamazônia já está nos últimos ajustes para a Mostra Competitiva que vai acontecer do dia 17 a 21 de outubro, no teatro do SESC Esplanada, no bairro

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE SUBINDO O RIO GU...

Expansão da atividade agropastoril prenuncia conflito ambiental na região

Cineamazônia leva um pouco da América Latin...

O cinema latino-americano tomou novos ares nos últimos dias 9 e 10 de setembro. As vilas de Seia e São Romão, localizadas nas regiões do Largo da Câmara e Largo de

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!