Após 15 horas, Cineamazônia Itinerante chega ao Acre

A caravana do Cineamazônia partiu no final da manhã da quarta-feira (02) com uma van, um caminhão e 13 pessoas para levar cinema e arte ao Peru, Acre e distritos de Porto Velho.

Mas o mais inusitado estava por vir: por volta das 14:30, os veículos encontraram uma fila de quase cinco quilômetros para a travessia na balsa, logo após o distrito de Abunã. Depois de duas horas parados, o palhaço Cloro entrou em ação para levar um pouco de alegria aos viajantes e caminhoneiros que estavam parados por 20, 22 e até 24 horas. Ele literalmente puxou a comitiva por uma corda.

Houve um pouco de tensão no ar, mas a alegria e o jogo de cintura entraram em cena para quebrar um pouco o gelo. “Estou aqui há 24 horas, parado, com fome, sede e sem tomar banho. Nenhum político vem aqui nos ajudar, nos dar apoio. Essa ponte está aí, devagar, quase parando e somos reféns dela. Todo mundo só quer saber do seu lado, enquanto os caminhoneiros ficam pra trás”, destacou Ronaldo Alves, caminhoneiro.

Quem também estava indignado com a demora era o companheiro de profissão de Ariquemes, Vanderlei Martins, que já estava parado há mais de 24 horas. “Ninguém entende nosso lado. A gente fica sem dormir, preocupado em roubarem a carga, mas o pior é os carros pequenos e ônibus passarem na nossa frente, achando que têm prioridade. Não é assim, desse jeito, bagunçado. A gente também é trabalhador. Queremos entregar nossa carga, voltar para casa e ver nossa família. A gente fecha a estrada, impede a passagem e as pessoas acham ruim. Não é por aí”, desabafou ele.

Cinco horas depois, por volta das 19:30, com muita conversa e risadas, os caminhoneiros entenderam o propósito e a tentativa de cumprir os prazos da comitiva. Somente aí, o Cineamazônia Itinerante conseguiu atravessar a balsa rumo a Brasiléia (AC), ponto de pernoite antes da chegada em Assis Brasil (AC), local da primeira exibição da itinerância.

Porém, ainda havia longos 450 quilômetros a serem percorridos entre o rio até a cidade acreana. Após o distrito de Nova Califórnia, os buracos atrasaram ainda mais a viagem. Tanto que a caravana do Cineamazônia só chegou a Brasiléia (AC), às 04 da manhã já desta quinta-feira (03).

Após algumas horas de descanso, toda a equipe seguiu no início da tarde do mesmo dia rumo a Assis Brasil para a primeira atividade do Cineamazônia Itinerante na concha acústica soldado Marinho, às 07:30 da noite.

A 15ª edição do Cineamazônia tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual e da Lei Rouanet. Ainda tem o apoio cultural da Sejucel, Funcultural, Fecomércio e SESC Rondônia. O Cineamazônia é associado ao Fórum dos Festivais e membro do Green Film Network.

Texto: Felipe Corona

Fotos: Beethoven Delano

Você também pode gostar

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE EM VISTA ALEGRE ...

uma satisfação voltar para Vista Alegre, esta é a quarta vez que o festival se apresenta aqui no distrito”, disse a organizadora do festival, Fernanda Kopanakis. A sessão ocorreu na

O FILME “SOLDADOS DA BORRACHA” DO...

O documentário narra a história de quatro seringueiros de diversas origens para mostrar a trajetória de luta dos soldados da borracha convocados para ajudar os aliados na Segunda Guerra Mundial.

Ailton Krenak, militante das causas indígena...

Foi como se tivesse sido uma grande aula de vida. A homenagem feita pelo Cineamazônia ao militante das causas indígenas Ailton Krenak transformou-se num momento de crítica ao atual momento

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!