Israelitas consagram Cineamazônia em Mategua

TEXTO: ISMAEL MACHADO
FOTOS: ZECA RIBEIRO
EDIÇÃO: LUI MACHADO

 A maior concentração de botos em toda itinerância do rio Guaporé. O comentário era repetido por quase todos os integrantes do Cineamazônia Itinerante durante todo o dia 27 de julho, quando a expedição cultural fluvial chegou à localidade boliviana de Mateguá, depois da apresentação feita na noite anterior na comunidade quilombola de Pedras Negras.

Em Mateguá vive a comunidade Israelita, um grupo religioso que segue as diretrizes dos 10 mandamentos do Velho Testamento. É uma comunidade onde os homens usam longas barbas e cabelos e as mulheres protegem a cabeça com véus.

Itinerância Vale do Guaporé

Itinerância Vale do Guaporé

Essa comunidade compareceu em peso à sessão do Cineamazônia. Chegavam iluminando o caminho com lanternas numa bela imagem proporcionada à escuridão da noite. Antes, no período da tarde, quatro jovens moradores da comunidade participaram da oficina de fotografia artesanal ministrada pela fotógrafa Bete Bullara e pelo menos dez crianças foram protagonistas do curta-metragem em animação de Pixilation ‘Animando Mateguá’, dirigida por Christian Ritse, dentro do projeto Animando Amazônia.

Um dos líderes da comunidade, Simão Flores, foi o personagem do projeto Museus Vivos, que busca, em cada localidade alcançada pelo Cineamazônia, registrar a história de um morador. Simão Flores nasceu em Cochabamba e há pouco mais de cinco anos vive em Mateguá. Tem na trajetória local, um fato que chama a atenção de todos os visitantes. Enfrentou uma onça com as próprias mãos. O troféu da contenda, o couro da cabeça da onça foi levado como souvenir por uma turista.

Simão Flores diz que a comunidade precisa de duas coisas básicas. Um posto de saúde e uma escola que chegue a estágios mais avançados, alcançando o segundo grau, por exemplo.

 À noite Flores fazia parte, junto com a família, do público que prestigiou a exibição de filmes e a apresentação dos palhaços Cotonete e Chiquita.  Foi uma sessão diferente. Antes das exibições, uma jovem local, Daniela Mayda, cantou um hino religioso dos Israelitas.

Ainda no barco, a artista Geysa Helena, já com a indumentária de palhaça, observava a cantora. Geysa e Alexandre, o palhaço Cotonete, aguardavam com certa expectativa o momento de adentrar o picadeiro. Até então nessa itinerância, a dupla ainda não tinha se apresentado a uma comunidade religiosa e não sabia qual seria a reação.

“É um momento de certa tensão, antes das apresentações. Fico ansiosa, imaginando como o público vai reagir”, dizia Geisa antes de entrar em cena. “A gente tá adaptando tudo, percebendo que de um lado a outro da fronteira são diferentes sensos de humor”, complementou Alexandre. Para os dois, a experiência na itinerância tem sido a mais radical até agora na carreira deles. “Tem sido um aprendizado diário”, complementa Geysa Helena.

A preocupação se mostrou em vão. O público reagiu muito bem às cenas e esquetes e a participação das crianças foi intensa.

Cineamazonia, 14a EDIÇÃO, tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Lei Rouanet. Apoio Cultural da Prefeitura de Porto Velho, através da SEMA

Você também pode gostar

Cineamazônia Itinerante 2016 estreia no Bras...

Depois de passar por Peru e Bolívia, chegou a vez do Cineamazônia Itinerante 2016 fazer sua primeira apresentação em solo brasileiro. O local escolhido fora Capixaba, município acreano que faz

“Dedo na ferida”, de Sílvio Tendler, abr...

Na vasta filmografia de Sílvio Tendler nunca houve espaço para a neutralidade. Conhecido como o “cineasta dos sonhos interrompidos”, Tendler tem o raro dom de tratar com sensibilidade assuntos sérios

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE LEVA ARTE A OITO...

Circo, palhaço, cinema ambiental. é a trupe do FestCineamazonia que não pára e põe o pé na estrada outra vez para levar arte a várias comunidades da Grande Porto Velho.

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!