Cineamazônia fecha segunda etapa da itinerância em Pimenteiras

O Cineamazônia completou, nesta quarta-feira (03) mais uma etapa do projeto de itinerância do festival. De barco, a caravana cultural do Cineamazônia Itinerante visitou dezessete localidades ribeirinhas que receberam as sessões de cinema e circo ao longo do leito do rio Guaporé, levando cinema, circo e oficinas culturais.

A despedida da segunda etapa do festival ocorreu na terça-feira (02), na cidade de Pimenteiras. Debaixo de um céu estrelado, a exibição contou com a apresentação de dança de alunos de uma escola pública da região, que emocionou a equipe da caravana.

“Para nós é sempre um prazer levar toda a estrutura do cinema e do circo para essas comunidades. Em geral, são locais com pessoas de histórias muito simples e que na possuem acesso à arte e que sempre nos recebem de braços abertos”, diz a coordenadora do Cineamazônia Fernanda Kopanakis na abertura do evento.

Itinerância Vale do Guaporé

Itinerância Vale do Guaporé

A aventura pelo rio Guaporé começou na Reserva Extrativista Rio Ouro Preto, entre os municípios de Guajará-Mirim e Nova Mamoré, em Rondônia. Foi uma noite típica de primeira vez, primeiro encontro. Era a primeira apresentação do projeto na comunidade, que passa a integrar o roteiro do festival. Era também a primeira vez que muitos moradores tinham a possibilidade de ver cinema e circo tão próximos.

“É uma emoção muito forte estar aqui nessa comunidade que tem um histórico de resistência e luta tão fortes”, disse Fernanda Kopanakis.

A emoção também foi grande para a dupla de palhaços Chiquita e Cotonete, interpretados por Geysa Helena e Alexandre Malhone. “É um prazer enorme participar desse projeto e poder levar cultura para essas localidades. Cultura é um direito de todos e é muito bom que tenhamos a oportunidade de levar a arte do cinema e do circo à pessoas que raramente têm acesso a isso”, diz Geyza.

Itinerância Vale do Guaporé

Itinerância Vale do Guaporé

Destaque também para as duas comunidades quilombolas que tradicionalmente são visitadas pelo Cineamazônia, Santo Antônio e Pedras Negras. Fernanda Kopanakis, organizadora do festival, aproveitou para falar sobre a importância da localidade no calendário do evento. “Pedras Negras é uma comunidade muito importante para nós porque aqui realizamos o documentário Quilombagem. Algumas crianças daqui sequer eram nascidas. É bom que conheçam a própria história”, disse durante a abertura.

Oficinas

Além dos filmes e das apresentações dos palhaços, o festival também levou oficinas de fotografia, ministrada pela fotógrafa Bete Bullara.

Em Guajara-mirim, a oficina mostrou, de forma simples, mas efetiva, a importância do projeto como fomentador de uma cultura viva. Tudo isso foi sintetizado no momento em que a coordenadora Fernanda Kopanakis anunciou Bete Bulara, pedindo que ela falasse um pouco sobre a oficina de fotografia artesanal, baseada na técnica de pinhole.

A oficina alimentou sonhos. “Decidi fazer porque tenho um apreço enorme por fotografia. Tenho uma câmera digital pequena e não profissional. Já faz um tempo que gosto de tentar fotografar. Saio às vezes para fazer alguns experimentos quando a luz está bonita”, disse Fernanda Andrade, 15 anos.

Outra oficina oferecida era a da técnica de Pixilation, produzida e dirigida por Christyann Ritse. Feita junto com as crianças de cada município, a oficina servia para aproximar as crianças menores à sétima arte. O resultado era sempre visto no início de cada sessão.

“Foi muito proveitosa a oficina, porque reafirmou a ideia de levar um pouco do universo da produção audiovisual para essas comunidades mais isoladas que não possui tanto acesso à informação e tecnologia. É uma forma de brincar com esse universo lúdico à essas crianças”, afirma Christyann.

Itinerância Vale do Guaporé

Itinerância Vale do Guaporé

Como ocorreu na primeira etapa do Cineamazônia Itinerante, o festival também procurou registrar personagens e a vida de cada comunidade visitada, através do projeto Museus Vivos, disponível no canal do youtube e no website do festival.

Com o fim da itinerância pelo rio Guaporé, as atenções se voltam para a etapa da mostra competitiva do Cineamazônia 2016, que ocorrerá entre os dias 23 e 27 deste mês.

Cineamazonia, 14a EDIÇÃO, tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Lei Rouanet. Apoio Cultural da Prefeitura de Porto Velho, através da SEMA.

Você também pode gostar

Surpresa e vitória para o Cineamazônia

Texto- Ismael Machado Fotos- Zeca Ribeiro Edição- Lui Machado Vitória Laís tem nove anos e dois sonhos. O de deixar os cabelos alourados crescerem como o de Rapunzel- sem alisar-

Animação e cinema chegam a Versalles

Depois do município rondoniense de Costa Marques, Versalhes recebeu a itinerância do Cineamazônia. Localidade boliviana formada por muitas casas com telhado de palha, teve como personagem do projeto Museus Vivos,

PEDRAS NEGRAS FOI A SEGUNDA COMUNIDADE QUILOM...

O assassinato do líder quilombola paraense Teodoro Lalor de Lima em Belém, no Pará, foi lembrado pela organização do Festival de Artes Integradas-Festcineamazonia Itinerante. Na abertura da noite de apresentação

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!