Cineamazônia fecha segunda etapa da itinerância em Pimenteiras

O Cineamazônia completou, nesta quarta-feira (03) mais uma etapa do projeto de itinerância do festival. De barco, a caravana cultural do Cineamazônia Itinerante visitou dezessete localidades ribeirinhas que receberam as sessões de cinema e circo ao longo do leito do rio Guaporé, levando cinema, circo e oficinas culturais.

A despedida da segunda etapa do festival ocorreu na terça-feira (02), na cidade de Pimenteiras. Debaixo de um céu estrelado, a exibição contou com a apresentação de dança de alunos de uma escola pública da região, que emocionou a equipe da caravana.

“Para nós é sempre um prazer levar toda a estrutura do cinema e do circo para essas comunidades. Em geral, são locais com pessoas de histórias muito simples e que na possuem acesso à arte e que sempre nos recebem de braços abertos”, diz a coordenadora do Cineamazônia Fernanda Kopanakis na abertura do evento.

Itinerância Vale do Guaporé

Itinerância Vale do Guaporé

A aventura pelo rio Guaporé começou na Reserva Extrativista Rio Ouro Preto, entre os municípios de Guajará-Mirim e Nova Mamoré, em Rondônia. Foi uma noite típica de primeira vez, primeiro encontro. Era a primeira apresentação do projeto na comunidade, que passa a integrar o roteiro do festival. Era também a primeira vez que muitos moradores tinham a possibilidade de ver cinema e circo tão próximos.

“É uma emoção muito forte estar aqui nessa comunidade que tem um histórico de resistência e luta tão fortes”, disse Fernanda Kopanakis.

A emoção também foi grande para a dupla de palhaços Chiquita e Cotonete, interpretados por Geysa Helena e Alexandre Malhone. “É um prazer enorme participar desse projeto e poder levar cultura para essas localidades. Cultura é um direito de todos e é muito bom que tenhamos a oportunidade de levar a arte do cinema e do circo à pessoas que raramente têm acesso a isso”, diz Geyza.

Itinerância Vale do Guaporé

Itinerância Vale do Guaporé

Destaque também para as duas comunidades quilombolas que tradicionalmente são visitadas pelo Cineamazônia, Santo Antônio e Pedras Negras. Fernanda Kopanakis, organizadora do festival, aproveitou para falar sobre a importância da localidade no calendário do evento. “Pedras Negras é uma comunidade muito importante para nós porque aqui realizamos o documentário Quilombagem. Algumas crianças daqui sequer eram nascidas. É bom que conheçam a própria história”, disse durante a abertura.

Oficinas

Além dos filmes e das apresentações dos palhaços, o festival também levou oficinas de fotografia, ministrada pela fotógrafa Bete Bullara.

Em Guajara-mirim, a oficina mostrou, de forma simples, mas efetiva, a importância do projeto como fomentador de uma cultura viva. Tudo isso foi sintetizado no momento em que a coordenadora Fernanda Kopanakis anunciou Bete Bulara, pedindo que ela falasse um pouco sobre a oficina de fotografia artesanal, baseada na técnica de pinhole.

A oficina alimentou sonhos. “Decidi fazer porque tenho um apreço enorme por fotografia. Tenho uma câmera digital pequena e não profissional. Já faz um tempo que gosto de tentar fotografar. Saio às vezes para fazer alguns experimentos quando a luz está bonita”, disse Fernanda Andrade, 15 anos.

Outra oficina oferecida era a da técnica de Pixilation, produzida e dirigida por Christyann Ritse. Feita junto com as crianças de cada município, a oficina servia para aproximar as crianças menores à sétima arte. O resultado era sempre visto no início de cada sessão.

“Foi muito proveitosa a oficina, porque reafirmou a ideia de levar um pouco do universo da produção audiovisual para essas comunidades mais isoladas que não possui tanto acesso à informação e tecnologia. É uma forma de brincar com esse universo lúdico à essas crianças”, afirma Christyann.

Itinerância Vale do Guaporé

Itinerância Vale do Guaporé

Como ocorreu na primeira etapa do Cineamazônia Itinerante, o festival também procurou registrar personagens e a vida de cada comunidade visitada, através do projeto Museus Vivos, disponível no canal do youtube e no website do festival.

Com o fim da itinerância pelo rio Guaporé, as atenções se voltam para a etapa da mostra competitiva do Cineamazônia 2016, que ocorrerá entre os dias 23 e 27 deste mês.

Cineamazonia, 14a EDIÇÃO, tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Lei Rouanet. Apoio Cultural da Prefeitura de Porto Velho, através da SEMA.

Você também pode gostar

FESTCINEAMAZONIA ITINERANTE RECEBE HOMENAGEM ...

A noite de domingo, 19 de julho, na comunidade boliviana de Remanso foi especial para o FestCineamazônia Itinerante 2015 – Vale do Guaporé. Por Fonte: Felippe Jorge Foto: Gavin Andrews

DEFINIDOS OS JURADOS DO FESTCINEAMAZÔNIA 201...

O cineasta Leopoldo Nunes, o diretor boliviano Marcelo Cordero, a produtora de cinema Suzana Amado, o sociólogo Vinicius Fernandes da Silva e a repórter Mara Paraguassu comporão o juri do

FESTCINEAMAZÔNIA PASSA A FAZER PARTE DA ORGA...

er o único festival ambiental da Amazônia, com uma trajetória de amadurecimento e ter uma história recente positiva de integração cultural na América do Sul e outros países de língua

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!