Guayaramerín lota exibição do Cineamazônia Itinerante na cidade

A noite da sexta-feira (25) foi especial para o Cineamazônia Itinerante: o projeto fez sua atividade na cidade boliviana de Guayaramerín, que faz fronteira com Guajará-Mirim, separadas apenas pelo Rio Guaporé.

Também pela primeira vez foi exibido um longa metragem em nove anos de Cineamazônia Itinerante, que prioriza sempre as produções de curta metragem. O boliviano Boqueirón, com duas horas de duração, conta a história de 462 soldados que lutaram pela retomada territorial do Forte Boquerón, contra 14 mil soldados paraguaios, no ano de 1932. A direção do filme é de Tonchy Antezana, que demorou cerca de dois anos e meio para ficar pronto e teve cenas rodadas em La Paz, Cochabamba, Oruro e no próprio Forte Boquerón, no Paraguai.

Outro destaque ficou para a presença de dezenas de marinheiros da Armada boliviana (Marinha) e de soldados do Exército local, que foram conhecer um pouco da história recente do país. “O cinema é um milagre. Sempre digo isso porquê fazer cinema na América do Sul necessita de muito esforço e luta. Mas é importante para mostrar quem somos e nossa história”, afirmou o fundador e coordenador do Cinemazônia, José Jurandir da Costa, durante rápido discurso aos espectadores no espaço ao ar livre no Palácio das Artes de Guayaramerín.

Após a exibição do longa metragem Boquerón, mais uma vez, o palhaço Cloro  arrancou gargalhadas e aplausos de adultos e crianças. Ainda mais com a participação especial de um cachorro como assistente, e às vezes, assustou o artista com latidos.

Cinema boliviano

O Cineamazônia bateu um papo com o segundo operador de câmera do filme Boquerón, Horst Arturo Brun Ríos, que representou o diretor Tonchy Antezana na exibição especial feita no Palácio das Artes de Guayaramerín. Horst comentou como está o cinema boliviano na atualidade. “Ultimamente, rodamos filmes em La Paz [Capital], Santa Cruz de la Sierra e Cochabamba, por exemplo. Não há uma cidade específica para o cinema, como Hollywood, por exemplo. Isso é bom, pois espalha o cinema por todo o país”, afirmou ele.

Horst também atuou como diretor de fotografia e produtor em outros filmes, além de ter uma empresa especializada em comunicação corporativa. Segundo ele, há uma batalha intensa com o Governo Boliviano para que haja mudanças na lei que incentive mais a produção cinematográfica e cultural no país. “Temos uma lei de incentivo ao cinema, mas que é obsoleta. As associações dos diretores e produtores querem uma nova lei que incentive o pagamento de impostos direcionados para a área. Hoje, pegamos dinheiro do governo, mas é como se fosse um empréstimo, já que temos que devolver ao final. Só que sentimos que há uma resistência muito grande já que o cinema faz as pessoas pensarem, contestarem o que está acontecendo. Nosso filme mesmo foi feito com recursos próprios e saiu com baixo custo. Por isso, que demorou tanto tempo para ficar pronto, cerca de dois anos e meio”, apontou Ríos.

A atividade do Cineamazônia Itinerante contou com o apoio do Palácio das Artes de Guayaramerín e da Universidade Autônoma do Beni.

Mais Cineamazônia

O Cineamazônia Itinerante continua a segunda etapa do projeto, com a exibição de filmes e apresentações circenses com o palhaço Cloro em 16 localidades no Vale do Mamoré e ao longo do Rio Guaporé até o dia 12 de setembro, quando encerrará suas atividades em Cabixi, no cone Sul do estado.

A equipe do Cineamazônia irá até comunidades ribeirinhas e quilombolas, reservas extrativistas, tanto do lado brasileiro como do lado boliviano. As primeiras apresentações serão feitas na estrada, como ocorreu na primeira etapa da itinerância.

Depois de Guajará-Mirim, o caminho ainda será por terra, neste sábado (25), com o distrito do Iata abrigando o quarto dia de programação, na praça em frente a escola Gaspar Dutra.

Serão alternados municípios e localidades rondonienses e bolivianas. San Lorenzo na segunda-feira (28) e Surpresa na terça (29) serão as primeiras localidades a receberem o projeto após a passagem por terra.

A 15ª edição do Cineamazônia tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual e da Lei Rouanet. Ainda tem o apoio cultural da Sejucel, Funcultural, Fecomércio e SESC Rondônia. O Cineamazônia é associado ao Fórum dos Festivais e membro do Green Film Network.

Texto: Felipe Corona

Fotos: Beethoven Delano.

Você também pode gostar

CINEAMAZÔNIA ITINERANTE NA ESTRADA

“Vocês deviam vir mais vezes aqui. Não temos quase nada para dar aos nossos jovens. Deus abençoe vocês”. Ombros arqueados, passos vagarosos, sorriso de poucos dentes, Pencha Tamayo, 68 anos,

FEST CINEAMAZÔNIA CHEGA A CUZCO COM A INTEGR...

A cidade de Cuzco recebe hoje (21/07), a exibição da mostra itinerante do Fest Cineamazônia 2009. O evento será na Faculdade de Arquitetura da Universidade Nacional San Antonio Avad. Cuzco

A ESTRADA E O DIA DE RODAGEM

Floresta Nacional de Bom Futuro, comunidade Rio Pardo. A chuva que caiu durante toda a noite cobrou o preço da boa trilha sonora que fez para dormir logo cedo. Rio

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!