FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE É DOCUMENTADO POR UM DOS GRANDES FOTÓGRAFOS DA HISTÓRIA DE RO

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE É DOCUMENTADO POR UM DOS GRANDES FOTÓGRAFOS DA HISTÓRIA DE RO

O fotógrafo e documentarista Marcos Santilli volta a Rondônia após nove anos para documentar o Festival Latino Americano de Cinema e Vídeo Ambiental – Festcineamazônia Itinerante. Além de acompanhar as apresentações de cinema e circo nos 13 distritos, pelas lentes de Santilli vão sair imagens dos bastidores do festival, dos distritos e das comunidades em que ocorrem a itinerância.

“Este festival será lembrado pela sua audácia e pioneirismo, um fato histórico que estou documentando. Também é muito bom ver a imensa alegria das populações ribeirinhas e dos distritos por terem a rara oportunidade de informação e lazer”, afirma Santilli.

Marcos Santilli é considerado um dos grandes fotógrafos da história de Rondônia. Realizou diversas expedições ao Estado para documentar a colonização descontrolada da região. Visitou seringais, garimpos, aldeias indígenas e florestas arrasadas. Em 1988, publicou o livro “Madeira Mamoré – Imagem e Memórias”, com fotos desde 1977 até uma das últimas viagens ditas turísticas da locomotiva, em 1996, quando um trem descarrillhou e os passageiros tiveram de voltar a pé a Porto Velho.

“Continuo fotografando a Madeira Mamoré, tenho planos para a realização de diversos produtos culturais e o sonho de trazer este trabalho e partilhá-lo com as novas gerações de rondonienses que não o conhecem”, diz Santilli.

A última vez que o fotógrafo esteve no Estado foi para exibição de seu documentário “Presente Saqueado”, na primeira edição do Festcineamazônia em 2003. O filme foi um alerta sobre a situação do Garimpo Bom Futuro em Ariquemes. Produzido em 1992, denuncia as condições em que foi explorada a maior jazida de cassiterita do planeta e previu o rápido esgotamento do extraordinário recurso mineral.

Santilli se profissionalizou fotojornalista em 1970, quando cursava a Faculdade de Arquitetura na Universidade de Brasília. Fotografou para diversos jornais, revistas nacionais e internacionais, especialmente para a Editora Abril. A partir de 1978 iniciou seu projeto Nharamaã, sobre a colonização da Amazônia, que resultou em reportagens, discos, espetáculos, audiovisuais, filmes e os livros: Àre, Madeira Mamoré e Amazon.

Foi bolsista das fundações Guggenheim, Fullbright, Banff Centre for the Arts, Fundação Japão e Vitae, do CNPQ, Ministério da Cultura, Capes, Fapesp e Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo. Dedicou-se temporariamente a publicidade, produção de música, cinema e vídeo. Dirigiu o Museu da Imagem e do Som (MIS) de São Paulo de 1997 a 2003, realizando a mais ampla reforma física, conceitual e de programação de sua história. Atualmente dirige a Memória Comunicações Ltda, que realiza atividades culturais regionais e mantém a Pousada dos Anjos. http://www.pousadadosanjos.com.br

O festival faz parte da Red de Cines Itinerantes da América Latina e Caribe, que tem como missão contribuir para a diversidade cultural e o fortalecimento da identidade nacional a partir da difusão de audiovisual em locais que não contam com salas de cinema. Tem como objetivo criar e fomentar uma cultura voltada para o cinema auxiliando na formação de plateia promovendo o contato com a sétima arte.

O Festcineamazônia Itinerante 2012 tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal através da Lei Rouanet, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual e Parceria Institucional da Fundação Banco do Brasil.

Você também pode gostar

MARTIN MARTINEZ: UM ARTISTA COMPLETO POR TRÁ...

“Se vai fazer, faz com vontade”. O bordão usado pelo artista Martin Martinez ao dar vida a seu personagem palhaço é mais que um bordão. É uma profissão de fé.

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE RUMO AO PERU

Trata-se de uma itinerância especial diante do momento por que vivem os peruanos envolvidos pela escolha do seu novo presidente no próximo domingo. Keiko Fujimori ou Ollanta Humala? As pesquisas

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE PEGA A ESTRADA E...

‘Silêncio total’. O bordão usado como mote pelo ator Luiz Carlos Vasconcelos para dar vida ao Palhaço Xuxu, costuma ficar impregnado na cabeça da platéia dias depois de findo o

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!