União Bandeirantes recebe a itinerância do Cineamazônia

Ontem, o Cineamazônia Itinerante 2016 novamente cumpriu com a missão de levar a arte e o cinema para os dois distritos de Porto Velho, cujas comunidades que estão muito longe de uma sala de cinema. O local escolhido dessa vez foi União Bandeirantes, uma comunidade localizada a 160 quilômetros da capital rondoniense e que surgiu depois da ocupação de terras abertas no meio da floresta.

_84U6983

Em União Bandeirantes, a tela de cinema foi colocada na avenida principal do distrito. De longe, já era possível ver as luzes do projetor iluminando a cidade. O local ficou lotado de pessoas de todas as idades que, em sua maioria, nunca entraram em uma sala de cinema antes.

Para José Aparecido de Oliveira, um dos pioneiros do distrito, se disse animado com a sessão de cinema para a comunidade. “Aqui é um local de um povo que sempre trabalhou muito e que nunca teve a oportunidade de ter acesso ao cinema e à arte. Então trazer esse tipo de iniciativa para cá é muito gratificante”, disse.

Cineamazônia Itinerante 2016 tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual, Lei Rouanet.  Apoio Cultural da Prefeitura de Porto Velho, através da SEMA e FUNCULTURAL.

Previous Itinerância leva pequena dose de cinema à Vila Jirau
Next Cineamazônia fecha a primeira etapa da itinerância 2016 com muita alegria em Jacy-Paraná

Você também pode gostar

AWARA NANE PUTANE, FILME PRODUZIDO NO ACRE, SERÁ EXIBIDO EM XAPURI-ACRE.

O curta-metragem “Awara Nane Putane – Uma história do cipó”, dirigido pelo cineasta Sérgio de Carvalho, foi selecionado para a mostra competitiva do sexto Los Angeles Brazilian Film Festival (Labrff),

COSTA MARQUES RECEBE O FESTCINEAMAZONIA ITINERANTE

Remima tem seis anos, Sandriele oito e Elyel dez., Juntas, essas crianças formam o grupo IrmãosTrovão. Remima e Sandriele tocam violão e cantam. Elyela acompanha na sanfona. O repertório passeia

FESTCINEAMAZÔNIA ITINERANTE NAS MONTANHAS GELADAS DO PERU

Se Cusco está a quase 4 mil metros acima do nível do mar, a comunidade de Amaru – povo contemporâneo dos Incas – vive a 4,3 mil. é um frio