Cineamazônia Itinerante encerra atividades no Rio Guaporé com passagem por Pimenteiras e estreia em Cabixi

A noite de segunda-feira (11) foi bastante animada para quem foi até a praça da Prefeitura de Pimenteiras. Dezenas de famílias com crianças e adultos estavam ansiosos para assistir diversos filmes curta metragens de animação e ficção do Brasil e de vários países estrangeiros, além do espetáculo do palhaço Cloro.

Um deles era o pequeno ator João Pedro, de 11 anos, que participou de um longa metragem em Poconé, no Pantanal mato-grossense, que conta a aventura de dois irmãos, que vivem super conectados nas redes sociais e são levados pelo avô para ter mais contato com a natureza e esquecer um pouco a internet. “Foi muito bacana contar essa história, ainda mais que a nossa geração só vive de olho no celular. Fico feliz em ter participado de um filme que juntou a natureza e a vida comum, onde a gente pode se preocupar um pouquinho com o mundo que a gente vive. Também mostrar que a nossa cidade, mesmo afastada do Rio de Janeiro ou São Paulo, tem gente que sabe fazer cinema”, disse o pequeno artista.

Pela sexta vez, o Cineamazônia Itinerante fez uma parada em Pimenteiras. Mesmo depois de uma semana de festival de praia, a população compareceu ao chamado feito nas escolas e pelas ruas. “A gente sempre fica muito satisfeito ao ver que somos lembrados pelo Cineamazônia. Mesmo com tanto tempo de viagem pelo Rio Guaporé, vocês fazem um evento super especial. Nossa cidade é carente desse tipo de evento, que envolve arte e cultura. No que depender de nós, iremos sempre apoiar as iniciativas de vocês aqui”, apontou a vice-prefeita Valéria Garcia, que representou o prefeito Olvindo Dondé.

O Cineamazônia também ajudou o ensino de Geografia para as crianças nas escolas municipais de Pimenteiras, já que o cartaz que divulga a itinerância pelo Vale do Guaporé foi utilizado como instrumento de estudo. “Além de ajudar a divulgar o Cineamazônia, a gente recortou a parte do mapa onde são mostradas as cidades do Brasil e Bolívia para mostrar as crianças como estamos integrados e próximos ao nosso país vizinho. É uma bela forma de ensino, demonstrando como é a nossa realidade”, destacou Maria dos Anjos, assessora especial da Prefeitura.

Por fim, a coordenadora do Cineamazônia, Fernanda Kopanakis agradeceu o empenho da equipe em 21 dias de viagem, mas lamentou a matança de 20 indígenas ocorrida recentemente na fronteira entre Brasil e Peru. “A gente fica totalmente fora de órbita navegando por esse rio, sem acesso a internet e telefone. Seja o contato com a família ou até para saber de notícias cotidianas. Mal abro a internet e vejo a notícia de que 20 índios foram mortos em um confronto por terras na fronteira entre Brasil e Peru. Temos que procurar respeitar mais os direitos do outro, seja do negro, da mulher, do homossexual, de qualquer pessoa. Mas, vamos continuar nessa luta, para a preservação da Amazônia e dos direitos de quem vive nela. Outro ponto que eu quero destacar para todos é o empenho da nossa equipe, que vestiu a camisa do Cinemazônia e acredita no sonhos de que é possível levar cinema, cultura e arte para os locais mais distantes do Brasil, Bolívia e Peru. Obrigado a vocês”.

Cabixi

Por fim, pela primeira vez, o Cineamazônia fechou o arco da fronteira entre Rondônia e Bolívia e foi até Cabixi, pequena cidade do Cone Sul com quase 7 mil habitantes e distante 815 quilômetros de Porto Velho.

Na noite da terça-feira (12), a praça da cidade recebeu dezenas de famílias com crianças e adultos, que atenderam o chamado do Cineamazônia Itinerante e da Secretaria Municipal de Educação, que apoiou a atividade. Todos estavam muito ansiosos pela primeira exibição de filmes curta metragens e a apresentação do palhaço Cloro. “A equipe da Secretaria se empenhou muito para divulgar a presença do Cineamazônia pela primeira vez em nosso município. Queremos muito estimular a cultura por aqui. Também desejamos que essa seja a primeira de muitas vezes que vocês voltem em nossa cidade, que também tem muitas belezas naturais, como os Rios Cabixi e o Guaporé”, disse o secretário municipal de Educação, Jailton Lopes Ferreira.

Já a coordenadora do Cineamazônia Itinerante, Fernanda Kopanakis, destacou o cuidado com a cidade. “Estou encantada com Cabixi. Era uma das poucas cidades de Rondônia que eu não conhecia, mas fiquei muito feliz com a hospitalidade e a receptividade de todos. Município bem cuidado, com gente acolhedora e alegre. Quero agradecer também o apoio imprescindível da Secretaria de Educação, na pessoa do secretário Jailton e da professora Vera, que em nenhum momento, colocaram dificuldades em nossa vinda até aqui. Mesmo não conhecendo muito bem nosso projeto, nos apoiaram desde o primeiro momento”, afirmou ela.

Cineamazônia

Depois de percorrer 1.250 quilômetros pelo Rio Guaporé e quase 900 por estrada na volta até Porto Velho, o Cineamazônia encerrou a segunda etapa da itinerância que começou na Resex Ouro Preto, no dia 23 de agosto e foi encerrada com a estreia em Cabixi, na noite da terça-feira (12).

Agora, vem a Mostra Competitiva que será realizada do dia 17 a 21 de outubro, em Porto Velho, além das exibições em escolas e locais especialmente escolhidos do dia 18 a 20 do mesmo mês.

Texto: Felipe Corona
Fotos: Beethoven Delano.

Você também pode gostar

DISTRITO DE PORTO VELHO RECEBE OFICINA DE ANI...

Uma das localidades mais atingidas pelos impactos dos grandes empreendimentos em Rondônia, o distrito de Jaci-Paraná, distante a 120 quilômetros da capital Porto Velho, recebe uma oficina de animação ambiental,

EXTREMA

Após 70 quilometros em uma tranquila estrada de asfalto em direção ao Acre, saímos de Vista Alegre e chegamos a Extrema. Localizada ainda mais na extremidade do estado, Extrema vive,

BAIXO MADEIRA RECEBE PROGRAMAÇÃO DO FESTCIN...

O Festcineamazônia Itinerante está no baixo Madeira com cinema e vídeo ambiental. é a etapa que leva a programação de graça para a população ribeirinha de Porto Velho como forma

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!