“Dedo na ferida”, de Sílvio Tendler, abre a 15ª edição do Cineamazônia

Na vasta filmografia de Sílvio Tendler nunca houve espaço para a neutralidade. Conhecido como o “cineasta dos sonhos interrompidos”, Tendler tem o raro dom de tratar com sensibilidade assuntos sérios em seus filmes de forma que tiram o espectador do lugar comum e da zona de conforto. E é exatamente isso que o público pode esperar de “Dedo na ferida”, documentário escolhido para a abertura do Festival Cineamazônia, na próxima terça-feira, às 19h30, no Sesc Esplanada, com entrada grátis.

O título “Dedo na ferida”, aliás, não poderia ser uma provocação melhor para o atual contexto que o país vive. O documentário trata do fim do estado de bem-estar social e da interrupção dos sonhos de uma vida melhor para todos em um cenário onde a lógica do capital financeiro inviabiliza qualquer alternativa de justiça social.

Neste cenário de tensões sociais, intelectuais lutam para transformar o mundo levantando temas como o fim dos direitos sociais, o desemprego, o mercado e o ressurgimento de movimentos extremistas. Cada semelhança, claro, não é mera coincidência.

Em 48 anos de carreira, Silvio Tendler produziu e dirigiu cerca de 80 obras de cunho histórico e social entre curtas, médias e longas e séries. Entre seus trabalhos destacam-se Jango (1984), vencedor do Margarida de Prata e o melhor filme pelo júri popular em Gramado, Glauber – O filme, labirinto do Brasil (2003), melhor filme pelo júri popular e pela crítica em Brasília, e Encontro com Milton Santos (2006), melhor filme pelo júri popular em Brasília.

Programação definida

O filme é apenas primeira de uma série de atrações gratuitas da 15ª edição do Festival Cineamazônia. Na quarta-feira começam as mostras competitivas de curtas médias e longas metragens, sempre no Sesc Esplanada, com programação que iniciam às 14 horas e vão até a noite. Já nas manhãs de quarta-feira (18) e quinta-feira (19), o Sesc Esplanada recebe alunos de escolas públicas de Porto Velho para a programação especial da atividade “Cinema vai ao cinema”.

Também na quinta-feira (19), às 19h30, será realizado a atividade Cinema e Música, na Escola de Música Jorge Andrade, com exibição do filme convidado “Na Batucada da Vida”, sobre a vida e obra de Chico Batera, que contará com a presença do próprio músico. Após a exibição será a vez do grupo musical Trio do Norte fazer uma apresentação.

Na sexta-feira (20), das 8h às 11h30, é a vez do debate “É de poesia que o mundo precisa”, com os escritores José Inácio Vieira de Melo, Ronaldo Correia de Brito e Rubens Vaz Cavalcante, e mediação de Marcos Aurélio Marques. No mesmo dia, mas na parte da noite a partir das 19h30, ocorrerá a homenagem à antropóloga Betty Mindlin.

No sábado, a partir das 19h, ocorre o encerramento do Festival, que contará com a exibição do filme “Dana Merril – Um fotógrafo no inferno verde” e homenagem ao cineasta Beto Bertagna, além, é claro, da premiação com o Troféu Mapinguari para os melhores filmes da mostra competitiva deste ano. O show do músico Chico Batera fecha a 15ª edição do Festival Cineamazônia.

A 15ª edição do Cineamazônia tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual e da Lei Rouanet. Ainda tem o apoio cultural da Sejucel, Funcultural, Fecomércio e SESC Rondônia. O Cineamazônia é associado ao Fórum dos Festivais e membro do Green Film Network.

Texto: Lui Machado.

Você também pode gostar

Extrema lota atividade do Cineamazônia Itine...

Após as atividades em Capixaba (AC) e Nova Califórnia, o Cineamazônia Itinerante seguiu para a maior cidade na Ponta do Abunã: Extrema, com quase 7 mil habitantes e distante cerca

Cineamazônia levanta bandeira contra intoler...

O público atendeu o chamado e lotou as dezenas de poltronas do Teatro 1, do SESC Esplanada, para a abertura do Cineamazônia, que ocorreu na noite da terça-feira (17). A

Diário de Bordo de uma palhaça (por Geisa H...

Conheci o projeto Cineamazônia através do palhaço Kuxixo. Ele participou da itinerância e acabou nos indicando para os coordenadores. Quando a Fernanda Kopanakis, uma das organizadoras e idealizadoras do projeto

0 Comments

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!