“Dedo na ferida”, de Sílvio Tendler, abre a 15ª edição do Cineamazônia

Na vasta filmografia de Sílvio Tendler nunca houve espaço para a neutralidade. Conhecido como o “cineasta dos sonhos interrompidos”, Tendler tem o raro dom de tratar com sensibilidade assuntos sérios em seus filmes de forma que tiram o espectador do lugar comum e da zona de conforto. E é exatamente isso que o público pode esperar de “Dedo na ferida”, documentário escolhido para a abertura do Festival Cineamazônia, na próxima terça-feira, às 19h30, no Sesc Esplanada, com entrada grátis.

O título “Dedo na ferida”, aliás, não poderia ser uma provocação melhor para o atual contexto que o país vive. O documentário trata do fim do estado de bem-estar social e da interrupção dos sonhos de uma vida melhor para todos em um cenário onde a lógica do capital financeiro inviabiliza qualquer alternativa de justiça social.

Neste cenário de tensões sociais, intelectuais lutam para transformar o mundo levantando temas como o fim dos direitos sociais, o desemprego, o mercado e o ressurgimento de movimentos extremistas. Cada semelhança, claro, não é mera coincidência.

Em 48 anos de carreira, Silvio Tendler produziu e dirigiu cerca de 80 obras de cunho histórico e social entre curtas, médias e longas e séries. Entre seus trabalhos destacam-se Jango (1984), vencedor do Margarida de Prata e o melhor filme pelo júri popular em Gramado, Glauber – O filme, labirinto do Brasil (2003), melhor filme pelo júri popular e pela crítica em Brasília, e Encontro com Milton Santos (2006), melhor filme pelo júri popular em Brasília.

Programação definida

O filme é apenas primeira de uma série de atrações gratuitas da 15ª edição do Festival Cineamazônia. Na quarta-feira começam as mostras competitivas de curtas médias e longas metragens, sempre no Sesc Esplanada, com programação que iniciam às 14 horas e vão até a noite. Já nas manhãs de quarta-feira (18) e quinta-feira (19), o Sesc Esplanada recebe alunos de escolas públicas de Porto Velho para a programação especial da atividade “Cinema vai ao cinema”.

Também na quinta-feira (19), às 19h30, será realizado a atividade Cinema e Música, na Escola de Música Jorge Andrade, com exibição do filme convidado “Na Batucada da Vida”, sobre a vida e obra de Chico Batera, que contará com a presença do próprio músico. Após a exibição será a vez do grupo musical Trio do Norte fazer uma apresentação.

Na sexta-feira (20), das 8h às 11h30, é a vez do debate “É de poesia que o mundo precisa”, com os escritores José Inácio Vieira de Melo, Ronaldo Correia de Brito e Rubens Vaz Cavalcante, e mediação de Marcos Aurélio Marques. No mesmo dia, mas na parte da noite a partir das 19h30, ocorrerá a homenagem à antropóloga Betty Mindlin.

No sábado, a partir das 19h, ocorre o encerramento do Festival, que contará com a exibição do filme “Dana Merril – Um fotógrafo no inferno verde” e homenagem ao cineasta Beto Bertagna, além, é claro, da premiação com o Troféu Mapinguari para os melhores filmes da mostra competitiva deste ano. O show do músico Chico Batera fecha a 15ª edição do Festival Cineamazônia.

A 15ª edição do Cineamazônia tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual e da Lei Rouanet. Ainda tem o apoio cultural da Sejucel, Funcultural, Fecomércio e SESC Rondônia. O Cineamazônia é associado ao Fórum dos Festivais e membro do Green Film Network.

Texto: Lui Machado.

Previous Veja a programação da exibição dos filmes da Mostra Competitiva do Cineamazônia
Next Conheça os oito média e longa metragens finalistas do Festival Cineamazônia

Você também pode gostar

Cinema na Floresta (Matéria Revista Trip)

Matéria veiculada no site da Revista Trip: goo.gl/udmzL7 Dona Aidê pede para o vizinho adolescente que abaixe o volume do som enquanto ajeita a cadeira no quintal de casa. É um

Histórias mal Contadas será exibida na TV Serra Azul

Resultado de uma parceria entre a Espaço Vídeo e Cinema e a Fundação Cultural Serra Azul, gestora da TV Serra Azul, localizada na cidade de Porangatu, Norte goiano, retransmissora da

Poesia pisando no real

Realizadores discutem poesia no Cineamazônia Atitude. Generosidade. Fim da intolerância racial. Além da poesia, cada vez mais necessária, são de coisas assim que o mundo precisa. Foi o que defenderam